A APOSENTADORIA DE ARMINDO ANTÔNIO RANZOLIN

1975, o Internacional conquista pela primeira vez o Campeonato Brasileiro de Futebol. 1976 é o bi. 1981, o Grêmio chega lá, vencendo o Brasileirão. 1983, vai mais longe, é o campeão da Taça Libertadores da América. Mais longe ainda e se torna o primeiro clube do Rio Grande do Sul a conquistar um título mundial. Sem falar outros jogos, outras coberturas, do esporte à política, em todas elas, Armindo Antônio Ranzolin.
Por Luiz Artur Ferraretto

Quarta-feira, dia 6 de dezembro de 2006. Estúdio da Rádio Gaúcha, Porto Alegre, programa Gaúcha Atualidade. Ranzolin, titular do programa desde agosto de 1992, não está mais lá. No final da tarde, uma nota da Rede Brasil Sul de Comunicação anuncia a aposentadoria, aos 69 anos de idade, de um dos mais importantes profissionais do rádio do Sul do país.


Ranzolin (1979).

Mas a voz clara e precisa de Armindo Antônio Ranzolin vai seguir presente na memória dos seus ouvintes como o narrador das maiores conquistas do esporte do Rio Grande do Sul, com passagens não só por esta função, mas também por cargos de chefia em emissoras de rádio como a Difusora, a Farroupilha, a Guaíba e a Gaúcha. Afinal, são quase cinco décadas, boa parte deste período como um dos principais nomes das jornadas esportivas do Sul do país. Sou uma destas tantas pessoas que cresceram escutando-o e, por isto, me arrisco aqui a um depoimento inteiramente pessoal e nada jornalístico.
Quando eu era um guri de merda como tantos outros que as universidades despejam, semestre a semestre, no mercado, cheios de convicções e certezas, sem experiência alguma, conheci o Ranzolin de forma prosaica. Eu era um fedelho, destes que seguem abundantes nas redações de hoje, vendo na experiência um problema e não uma solução. Ah, a arrogância dos ignorantes! Óbvio que, de experiência, nada possuía. Então, supria a falta desta com sobras daquela e um olharzinho de dúvida a fingir senso crítico e pitadas de niilismo infanto-juvenil.


Com o governador Pedro Simon nas eleições 86.

Lembro que, selecionado como free-lancer para a cobertura das eleições de 1986, acabei chegando para uma reunião bem antes do horário. Logo em seguida, apareceu o Ranzolin, voz perfeita a dois metros de altura. O rosto eu conhecia da RBS TV, onde na época ele mantinha um comentário diário. Se não fosse por isto, eu o identificaria, como todo o Rio Grande, pela voz. Eu estava nervoso e fiquei mais ainda. Ele, ao contrário, leu inexperiência no guri e talvez alguma capacidade profissional futura. Ranzolin, de forma muito amável, foi, então, me explicando todo o funcionamento do sistema informatizado a ser utilizado na cobertura e, de lambuja, me deu alguns conselhos sobre reportagem. Fiquei calmo e – acho – fiz um bom trabalho, acabando por ser contratado em definitivo, dias depois. Anos mais tarde, quando eu havia pedido demissão na Gaúcha para iniciar minha carreira como professor, recordo conversa semelhante nos corredores da rádio, ele insistindo para que eu desistisse da decisão já tomada. Recordo também, com orgulho, de ser entrevistado pelo Ranzolin, um apaixonado por rádio. Mais carinho ainda, no dia da defesa de minha tese de doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, quando ele ligou confirmando que estaria presente. São pequenas coisas, que dão a dimensão verdadeiramente humana dos grandes profissionais. E fazem com que eu sinta muita falta da voz de Armindo Antônio Ranzolin ao microfone da Rádio Gaúcha, da Rádio Guaíba, de qualquer rádio. Como naquelas tardes, mais guri ainda, sentado no chão brincando, lá em Rio Grande, na casa dos meus velhos, comecei a me dar conta da existência do rádio, meu irmão estudando e acompanhando jogos e mais jogos de futebol, ouvido colado no radinho National, voz do Ranzolin preenchendo o ambiente com a “Grande Rede Ipiranga dos Esportes”.
Se falo de lembranças específicas e minhas, há que registrar as de todos. Esta, por exemplo. Que narração em 3 de maio de 1981, jogo em que o Grêmio vence por 1 a 0 ao São Paulo! Que narração, Ranzolin!


Com Felipão após a Copa de 2004.

Armindo Antônio Ranzolin (narrador) – Paulo Isidoro arrancou no campo de ataque, prendendo a bola como convém, deixando respirar a sua meia-cancha. Entregou, agora, para Paulo Roberto. Paulo Roberto levantou. Chuveiro na área para Renato Sá. Subiu para cabeçada, atrasou para Baltazar… Matou no peito, experimentou, uma bomba, atirou… Gooooooooooooooooooooooool do Grêmio! Baltazar! Dezenove minutos e 35, no segundo tempo! Gol do iluminado, Baltazar! Gol do Chuteira de Ouro! O Grêmio faz 1 a 0 contra o São Paulo! Zero a zero serve! Um a zero, senhores, pode fazer do Grêmio, com 77 anos, campeão brasileiro em 1981! Cristalizou o Morumbi! Está derretendo o iceberg! O Grêmio está transformando o iceberg em picolé – e muito gostoso – no Morumbi, João Carlos Belmonte…
João Carlos Belmonte (repórter) – Quando ele perdeu o pênalti em Porto Alegre, no final da partida ele disse para a Guaíba: “Deus está reservando algo melhor para mim”. Estava com a razão! Renato Sá se deslocou pelo comando do ataque, cabeceou para trás, Baltazar dominou no peito e, antes que a bola caísse, emendou em um sem pulo sensacional! Venha comigo, ouvinte da Guaíba, e repita comigo, torcedor gremista: Grêmio 1, São Paulo 0! Campeão do Brasil, se Deus quiser!
Antônio Augusto (plantão) – É o décimo gol de Baltazar em 21 jogos. Gol 32 do Grêmio, que, agora, precisa o São Paulo fazer dois.
Lauro Quadros (comentarista) – Olha, zero a zero já servia. Um a zero é sensacional, mas não precisava ser golaço. Pegou na veia. Foi de voleio. Foi na gaveta com Valdir adiantado. Mas, importante: Renato Sá entrou e, em seguida, fez este jogadaço, a deixa de cabeça para Baltazar estufar as redes. A participação de Renato Sá. O São Paulo, agora, vai ficar louco, maluco, atucanado. Ótimo para o Grêmio, Ranzolin…
Por momentos como este, Ranzolin, que já estava afastado da narração esportiva desde a segunda ida do Grêmio a Tóquio, vai fazer muita falta. Que outros guris, como aquele Ferraretto, o de 1986, tenham a certeza disto! Este, de 20 anos depois, não tem a menor dúvida! E vai repetir sempre, me perdoem todos os demais: Armindo Antônio Ranzolin é o principal narrador esportivo da história do rádio do Rio Grande do Sul, um digno continuador de um Cândido Norberto, de um Mendes Ribeiro, de um Pedro Carneiro Pereira… Do final dos anos 50 até a semana passada, sempre nos microfones, agora na memória, provando, como os citados, que ele é mesmo insubstituível.

Áudio – Isso é que é narração


{moscomment}

 

Categorias: Tags: , ,

Por Ubiratan Lustosa

Radialista, publicitário e escritor começou sua carreira profissional na Rádio Marumby fazendo locução e apresentação de programas de estúdio e auditório. Na Rádio Clube Paranaense chegou à direção geral. Dedica-se atualmente à agência Santa Lúcia Propaganda da qual é sócio-fundador desde 1968.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

19 respostas
  1. RONI JUNIOR says:

    Simplesmente o melhor que já ouvi !
    Amadorísticamente,narro partidas de futebol de mesa, alguns jogos, e sempre uso dO estilo “ranzzolin” de narrar,uma peculiaridade que sempre percebi neste profissional! É lastimavel sua aposentadoria, digo para aqueles que tem PRAZER em ouvir uma narração com energia,limpidez, imparcialidade e uma locução que com certeza é a mais brilhante que já ouvi ao longo de meus trinta e cinco anos !
    Mas o que fazer então?
    Com SAUDOSISMO relembrar as melhores jornadas esportivas:
    AQUELAS COMANDADAS POR ARMINDO ANTONIO RANZZOLIN !

    VAI LÁ RANZZOLIN !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. JORGE says:

    O MELHOR QUE EU OUVI NARRANDO FUTEBOL FOI O PEDRO PEREIRA UM ESTILO QUE TODOS TENTAM COPIAR E JAMAIS CONSEGUIRÃO PORQUE ELE ERA PERFEITO E O SEGUNDO É ESTE QUE ESTÁ ACIMA ARMINDO ANTONIO RANZZOLIN TAMBÉM INCONFUNDIVEL EM SEU BRILHO ACOMPANHADO DOS COMENTÁRIOS DO LAURO QUADROS OU DO RUI OSTERMANN ELES ERAM BRILHANTES SAUDADES DE TODOS COMO ERA GOSTOSO OUVIR RADIO, HOJE EM DIA ESTA EM ASCENÇÃO COM SEU PROPRIO ESTILO DE COMENTÁRIOS ADROALDO GUERRA FILHO MAS NA NARRAÇÃO EXISTE UMA LACUNA AINDA QUE CONSIDERE O MELHOR O MARCO ANTONIO PEREIRA E NÃO SEI PORQUE ELE FICA SEGUNDO NA GAUCHA!

  3. jair medeiros says:

    ele sen sombra de duvida e o pele da narracao. talves naosurja outro

  4. RENATO BUSATTO says:

    ARMINDO ANTONIO RANZOLIM SEMPRE SERÁ LEMBRADO, NOS DEICHA MUITA SAUDADE, MARCOU ESSA GERAÇÃO. UMA VOZ ABENÇOADA POR DEUS PRICIPALMENTE NOS GOLS DO GREMIO.. VALEU RANZOLIM

  5. Paulo Roberto Nunes says:

    Grande Ranzolim, imortal do Rádio e da Tv, Sempre será o grandee Narrador do Fuebol Gaúcho e Brasileiro. Conheci um dia, dentro do elevador da Rádio Guaíba, sim, ainda do tempo da Guaíba. Homem de expressão, cabelo preto, para m im, terá sempre aquele cabelo preto. Um grande abraço Ranzolim.

  6. Caitofreitas says:

    Armindo Antonio Ranzolin narracao imparcial que emocionava a torcida grenal.Simplemente o Melhor

  7. NELSON MATOS says:

    RANZOLIM: SEM QUALQUER SOMBRA DE DÚVIDA O MELHOR DE TODOS; ME DESCULPEM OS OUTROS.
    …eu era apenas um menino de 11 anos que morava num sitio no interior do municipio de Joaçaba/SC, quando numa tarde de domingo de 1976 sintonizei a rádio Guaíba e pela primeira vez ja me chamou atenção aquela narração precisa, limpa, elegante e imparcial do Ranzolin; era um jogo do Inter no Camp. Brasileiro contra o Santa Cruz/PE; depois daquele dia numca mais uma naração de futebol foi a mesma para mim; além da Radia Guaíba ter uma equipe sensacional, com ele narrado, o Lauro Quadros comentando, o Belmonte no campo… era uma equipe inesquecível; eu já era colorado desde 1975; mas com o Ranzolim dava gosto de ouvir qualquer jogo que ele narrasse; inclusive ele era imbativel em jogos internacionais, como copa do mundo e outros;… não vacilava, não errava, não enrrolava; tanto que meu sonho de menino passou a ser querer ser um locutor esportivo para quem sabe tentar incorporar algum percentual do que o Ranzolin foi; eu trinava muito e prestava atenção em todos os detalhes da narração dele; acompanhava desde o programa “Preliminar”, depois a “Jornada Esportiva” e só desligava o rádio quando a Jornad terminava no final da tarde ou tarde da noite nos dias de semana; foram muito anos assim; muitos títulos assim; muitas fases da minha vida e do meu time do coração; hoje compartilho com todos os amigos que comentaram acima, independentemente para quem torçam; pois realmente o Ranzolim deixa muita saudades, inclusive de sua participação na transmisão da Maratona de Porto Alegre, pois a vida deu muita voltas e acabei me tornando também um maratonista, e aquele sonho que parecia tão distante dos meus tempos de criança do interior, em conhecer Porto Alegre, o Beira Rio, o Ranzolin, acabou se realizando quando participei de uma Maratona de Porto Alegre em 2006; … foi um cuprimento breve mas que valeu por uma vida, pois realmente este nobre homem foi e sempre será diferenciado por sua cortezia, elegancia e competência. …Muito obrigado Ranzolin por você ter passado em nossas vidas!!!!

  8. Antunes Severo says:

    Que belo e merecido depoimento Nelson. Ficas nos devendo a parte da história sobre se você chegou a trabalhar como locutor ou não. Abraço.

  9. NELSON MATOS says:

    Caro Antunes:

    Acabei até narrando alguns jogos amadores na minha região; mas apenas de forma lúdica, eu diria;(mas os amigos falavam que eu levava muito jeito e deveria fazer Jornalismo)mas depois a vida deus voltas; fui estudar na cidade; não tinha Jornalismo, acabei fazendo curso superior em outra área; passei em concurso público federal e pratico atletismo (corridas e maratonas) há mais de 20 anos. Hoje estou bem mais próximo de Porto Alegre, pois minha filha estuda lá há um ano e prometi que num dia desses em que vou visitá-la vou dar um jeito de encontrar o Ranzolin para cumprimentá-lo e pegar o seu autógrafo. Vallleuuuu!!!

  10. Miguel Rodrigues says:

    Comecei a ser torcedor do SCI (Inter, ouvindo o bordão
    FALA RANZOLIN, que não lembro quem chamava, nas transmissões
    dos jogos. Fiquei triste, pois soube do seu estado de saúde. Um dos melhores que já ouvi. Que Deus o abençõe.

  11. Gelson Konrad says:

    Com certeza foi o melhor narrador de todos os tempos. E o seu comentário na rádio Gaúcha ao meio dia era excelente. Nunca vou me esquecer do bordão: Alô amigos…. Sinto muita saudades do Ranzolin. Quem bom que ele nos deixou a Cristina. Força Ranzolin!

  12. José Stzaukoski says:

    Muita saudades desse grande mestre do rádio e da televisão, tinha uma voz inigualável, limpa e uma nitidez incrível e um português super correto.
    O Sr Armindo A. Ranzolin era um gênio em tudo o que fazia pois eu tive a oportunidade de vê-lo pessoalmente narrando o concurso de rainha das picinas que hoje é garota verão, foi muito lindo mesmo. Até hoje não uma voz tão limpa e nítida igual a dele. Saudades mesmo, eu gostaria muito de falar com ele e dar-lhe um grande abraço pela a grande admiração que sempre tive por esse ícone do nosso meio de comunicações de Porto Alegre.

  13. Renato Rucks says:

    Ranzolin, simplesmente colocava no chinelo todos os demais locutores, não só no RS, mas, tambem, do eixo Rio – São Paulo. Quase era melhor ouvir o jogo no radio do que assistir na TV.

  14. jose mendes says:

    ARMINDO ANTONIO RANZOLIN ,pra min ,foi o melhor narrador ,voz ,clara uma narraçao perfeita que saudade , hoje em dia so tem um narrador ,que nao entendo esta sempre fora de grandes jogos , alhas eu nao entendo como ele aceita ficar em segundo plano , o unico que narra parecido com o RANZOLIN ,chama se MARCO ANTONIO PEREIRA .

  15. André Luiz Silveira de Miranda says:

    Simplesmente o melhor narrador esportivo do sul do Brasil

  16. NILTON OLIVEIRA says:

    Boa tarde! O maior narrador esportivo, sem igual, passava emoção ao ouvinte, realmente ele amava a profissão.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *