A ditadura se foi de vez?

O Mylton Severiano, autor de Realidade – história da revista que virou lenda, livro que a Insular está lançando, não se conforma e insiste na pergunta A ditadura se foi de vez?

Foto: Luigi Mamprin

Diz Mylton com sérias dúvidas: “Há 47 anos, eu estava no Jornal da Tarde, lançado a 4 de janeiro de 1966, de onde me passaria meses depois para REALIDADE, lançada em abril. O JT sacudiu o jornalismo diário, pela diagramação e pela linguagem”.

“REALIDADE foi mais fundo. Mexeu com as estruturas do “sistema”, desafiou os conservadores, os preconceituosos, quebrou tabus. E em plena ditadura militar.

Neste momento, quase meio século depois, reflito sobre as perguntas que mais me fizeram os estudantes todos esses anos: por que não fazem mais uma revista como REALIDADE?, por que não fazem mais reportagens como aquelas? Muitos abrem a boca de espanto quando digo que é porque a ditadura ainda não acabou. Digo meio de brincadeira, mas leia este livro refletindo comigo: se a ditadura que matou REALIDADE já acabou, então por quê?” Leia a seguir a apresentação do livro por Paulo Henrique Amorim.

Uma vez, numa roda de almoço de domingo, Roberto Schwarz observou que uma das circunstâncias espantosas que cercam Machado de Assis é que ele tivesse existido no Rio provinciano, escravocrata, do fim do Século XIX.

Ao ler “Realidade – História da revista que virou lenda”, do Myltainho, pendurou-se no trapézio que tinha na cabeça – já que falamos de Machado – ideia parecida: o que espanta nessa lenda do jornalismo brasileiro é que tenha existido na São Paulo provinciana, escravocrata, sufocada pelo regime militar.

Isso se deve, como diz o autor, à “Grande Banda”, “os loucos de 64”. E também a um completo irresponsável, o “Seu Victor” Civita, fundador da Abril no Brasil, que, movido pelo instinto animal do empresário, fez a Realidade e, depois, a Veja do Mino Carta.

Depois, baixou a “responsabilidade”: o filho, desde sempre mal intencionado, fechou a Realidade e transformou a Veja no que chamo de “detrito de maré baixa”.

Para quem trabalhou na Realidade (e na Veja do Mino), o que o Myltainho revela como documento valioso é a lucidez do nosso Maestro, o Paulinho Patarra. As anotações explicitam o dom de planejar, a estratégia, a visão que o Paulo tinha da futura revista, seu espaço no mercado – e especialmente a fórmula editorial.

Paulinho era um profissional ! Ele tinha o pulso do momento e, por isso, convenceu o patrão.

O que a Realidade já nas bancas pôs para fora foi “o sentimento do povo” que o Paulinho carregava no peito. Trabalhei com poucos profissionais que sentissem o cheiro da galera, como o Paulo. Um talento.

Mais do que o editor-chefe e, na verdade, chefe de reportagem, o Paulo parecia daqueles políticos que sobem no palanque e dizem o que a massa quer ouvir: “hum, isso aí não interessa a ninguém…”

A Realidade captou aquela ânsia de entender o mundo desorganizado dos anos 60, os costumes, os novos personagens, a miséria que São Paulo desconhecia: uma realidade que soltava um cheiro parecido com o dos mictórios dos bares que nós frequentávamos. Tudo misturado à intervenção militar.

Já sei que o Myltainho vai se perguntar, mas, Paco, e o “primeiro violino, o Sergio de Souza ? Isso mesmo, Myltainho, o Serjão era o “primeiro violino”. Mas, quem escreveu a partitura foi o Paulo.

O Serjão dava ordem à casa. Com você. Você, na verdade, Myltainho, incentivava a desordem. Como a de dois alucinados jovens repórteres que o só o Paulo ousaria contratar: o Tonho, que era o Raff, e o Paco Maluco, o Perigoso, hoje mais conhecido como … Paulo Henrique Amorim

O Autor: Mylton Severiano, paulista de Marília, onde concluiu o ensino médio e um curso de música de seis anos, passou por inúmeras redações de jornais, revistas e telejornais, antes de se tornar free-lancer e dedicar-se a criar peças para campanhas eleitorais e a escrever livros. Publicou, entre outros, Se Liga! – O livro das drogas (Record) e a biografia Paixão de João Antônio (Casa Amarela) e Nascidos para perder – história do Estadão (Insular).

Lançamento 25 de março | Editora Insular | Rod João Paulo, 226 | Florianópolis    SC

Categorias: Tags: , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *