A importância do rádio 03

Para se ter acesso aos benefícios da radiodifusão, ouvir, escutar, prestar atenção e compreender é o básico. A fonte deve ser verbal, visual e audiovisual essas fontes segundo a mexicana Maria Cristina Romo Gil são indispensáveis para retenção pelos sentidos dos ouvintes.

A radiodifusão deve transmitir a informação com clareza e precisão em repertório adequado às finalidades a que se destina. Na linguagem é importante observar se a retórica é objetiva ou subjetiva, se o estilo é condizente à ideologia proposta.

Com relação a audiência, o profissional de comunicação deve estar atento ao perfil para o qual está direcionada sua programação, visto que os ouvintes se dividem em classes socioeconômicas. Classe A é composta de pessoas economicamente independentes. A classe B é a que está em ascensão social (pode ser alta e baixa), classe C é de pequenos funcionários e com educação secundária. Já a classe D engloba aquelas pessoas que lutam no cotidiano pela sobrevivência e estão em atividades sazonais e a classe E, define o estrato marginalizado do êxodo rural, do desemprego e da falta de política agrária, os sem terra.

O rádio comercial objetivo buscar as classes A, b e C, desprezando as demais. As emissoras públicas, educativas e comunitárias deveriam atingir todas as classes sociais, mas na realidade isso não ocorre.

São indispensáveis numa empresa de radiodifusão os seguintes profissionais: coordenador de produção, coordenador de programação, discotecário, discotecário-programador, produtor–executivo, locutor, supervisor técnico, técnico de manutenção, operador, sonoplasta, técnico de externas e operador de transmissor de rádio.

As emissoras comerciais organizam-se por produtos, programação, comercialização, clientes, anunciantes e ouvintes. Além da direção geral estão estruturadas em gerência de jornalismo, gerência de esportes, gerência de operações, gerência comercial e gerência técnica.
Sobre a importância do rádio convém salientar o que Luiz Artur Ferraretto, um especialista no assunto, mostra com todas as nuanças: tecnologias, deveres e obrigações como devemos proceder para alcançarmos um rádio de qualidade, com lucro pela inserção da publicidade, ouvintes cativos pela excelência da programação e distinção dos profissionais que fazem o rádio e a radiodifusão crescerem.

Sem ouvintes o rádio seria um canal vazio no universo das comunicações. Uma semente perdida no meio das plantações.  (APR)

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *