A parcialidade do jornalismo é tratada em livro

A parcialidade da mídia e seu apoio ao neoliberalismo são temas de um novo livro a ser lançado este mês. – Interessado em “fortalecer o mercado, em detrimento do estado”, o neoliberalismo teve apoio da imprensa escrita entre 1988 e 1998. Além disso, os veículos de comunicação tentaram ainda descontruir várias bases da Constituição. A defesa destas teses será publicada no livro “jornalismo de campanha e a Constituição de 1988”, do jornalista, professor e suplente de deputado federal Emiliano José (PT/BA). O estudo aponta que nesse período a imprensa influenciou a sociedade brasileira para a implantação e fortalecimento do neoliberalismo, liderada pelo grupo de Fernando Henrique Cardoso.
 
Os textos dos jornais à época estavam, segundo o professor, centrados num “discurso que se concentrou na ideia de considerar o que era público, o que era estatal, como ineficiente, e localizar na iniciativa privada aquilo que era eficiente. E ai o jornalismo naturalmente reforça, constrói, elabora esse discurso”, diz ele.

Jornalismo de campanha – Segundo o autor, o nome “jornalismo de campanha” tem a intenção de desmistificar um pensamento comum de que o jornalismo seja imparcial. O livro será lançado no próximo dia 28, em Salvador.

O professor critica a concentração das propriedades dos veículos de comunicação. “A mídia brasileira é profundamente partidarizada, oligopolizada, no sentido de que poucas famílias controlam os principais meios”. Esse controle de algumas famílias sobre toda a mídia do país, é um caso inclusive raro no mundo. “É talvez a mídia mais partidarizada do mundo, que tem lado, e é o lado da direita brasileira, eu não posso dizer de outro modo, é o lado dos privilégios, é o lado de partidos políticos interessados nesses privilégios”.

Essa força midiática, controlada por poucos, teve inclusive forte atuação nas últimas eleições, quando teria apoiado claramente o candidato José Serra. “É só lembrar o que ocorreu na última campanha presidencial quando a mídia, o seu núcleo hegemônico, fez claramente, nitidamente, uma opção pelo Serra, e trabalhou pra isso”. O professor é até hilário ao afirmar que a mídia perdeu as eleições, “é a terceira eleição que eles perdem, mas ela não vai aprender”.

1 responder
  1. Mazinho says:

    Olã…. nao encontrei nada sobre Mario Huttel, nenhuma noticia, nada… nem mesmo no google aparece…. nao podemos nos esquecer deste ilustre joinvillense, na minha opiniao o melhor comunicador de todos os tempos de Joinville.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *