A Rua

Hoje abro a coluna para deixar falar aquele que conheceu a verdadeira “Alma” da rua!

A rua nasce, como o homem, do soluço, do espasmo. Há suor humano na argamassa do seu calçamento. Cada casa que se ergue é feita do esforço exaustivo de muitos seres, e haveis de ter visto pedreiros e canteiros, ao erguer as pedras para a frontarias, cantarem, cobertos de suor, uma melopéia tão triste que pelo ar parece um arquejante soluço. A rua sente nos nervos essa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora das obras humanas. A rua criou todas as blagues e todos os lugares comuns. João do Rio.

(…) Para compreender a psicologia das ruas não basta gozar-lhe as delícias como se goza o calor do sol e o lirismo do luar. É preciso ter espírito vagabundo, cheio de curiosidades malsãs e os nervos com um perpétuo desejo incompreensível, é preciso ser aquele que chamamos flâneur e praticar o mais interessante dos esportes – a arte de flanar.

(…) Que significa flanar? Flanar é ser vagabundo e refletir, é ser basbaque e comentar, ter o vírus da observação, ligado ao da vadiagem. Flanar é ir por aí, de manhã, de dia, e à noite, meter-se nas rodas da populaça (…) é estar sem fazer nada e achar absolutamente necessário ir até um sítio lôbrego… É vagabundagem? Talvez. Flanar é distinção de perambular com inteligência. Nada como o inútil para ser artístico.

(…) O flâneur é ingênuo quase sempre. (…) acaba com a vaga ideia de que todo o espetáculo da cidade foi feito especialmente para seu gozo próprio. O balão que sobe ao meio-dia (…) sobe para seu prazer; as bandas de música tocam nas praças para alegrá-lo; se num beco perdido há uma serenata com violões chorosos, a serenata e os violões estão ali para diverti-lo. E de tanto ver o que os outros não quase não podem entrever, o flâneur reflete. (…) Quando o flâneur deduz, ei-lo a concluir uma lei magnífica por ser para seu uso exclusivo, ei-lo a psicologar, ei-lo a pintar os pensamentos, a fisionomia, a alma das ruas. E é então que haveis de pasmar da futilidade do mundo e da inconcebível futilidade dos pedestres, da poesia da observação…

Texto integral: João, do Rio. A Alma Encantadora das Ruas. São Paulo. Companhia das Letras, 1997.

2 respostas
  1. eno josé tavares says:

    alguém escreveu:

    QUANDO EU NASCÍ E VI O MUNDO QUE ME ESPERAVA, EU BERRAVA FEITO UM DOIDO, E, VOCES RIAM DAQUELA BOCARRA DESDENTADA ,E, ESQUELÉTICO FEITO UMA MINHOCA VELHA…AGORA, VOCES FINGEM QUE CHORAM, E EU “TOSTADINHO CROCANTEZINHO E BEM CREMADINHO, VOU RINDO PELA MINHA RUA DOURADA,AD INFINITUN…

  2. Fatima Barreto Michels says:

    Ameeeeeeeeeeei! Viva o rueiro João do Rio e a cumádi Cotinha Bruno!

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *