André Rieu

Fiquei agradavelmente surpreso com a  repercussão da vinda de André Rieu ao Brasil! Vi alguns de seus shows, espetáculos que misturando música clássica e popular. Confesso que prefiro ouvir arranjos originais, não por “purismo”, mas por gosto pessoal. O mesmo vale para outros gêneros, inclusive pop, rock e MPB, sendo que não me agrada sobretudo quando tomam parte dessas músicas como suporte para a insuportável falta de talento contemporâneo. Só que não chego ao nível “fundamentalista” de alguns, cuja “rigor acadêmico”, em vez de difundir, afasta o público da música erudita, deixando-o à mercê da atual falta de opções do “mercado”. No extremo oposto desse radicalismo, certa vez ouvi um “mc” afirmar que música clássica era “um pé…”! Que bom era o que ele fazia…

“Gosto não se discute”, diz o ditado. No entanto, ele pode ser aprimorado. Mas, para isso é preciso ter alternativas de fácil acesso, e ouvidos e mentes atentos para apreciá-las sem imposições ou regras.

Esnobismo, conformismo, preconceitos e interesses comerciais são os maiores inimigos da aquisição de conhecimento em qualquer área, fomentando e proliferando “guetos” culturais, que beiram à irracionalidade.

Dizem que André Rieu descaracteriza obras clássicas… E daí?

“Pior”, acusam-no de “popularizá-las”, como se isso fosse um crime.

O que seus acusadores preferem?

Querem que o povo fique limitado apenas ao que interesses econômicos definem como “popular”, incluindo os “degêneros” musicais em voga? Ou que o “popular” fique limitado a letras pobres e ofensivas, grunhidos ou vozes eletronicamente distorcidas e batidas enervantes, que alguns adoram desfilar, em alto e ruim som, com cara de pau e de mau, pelas ruas das cidades?

Olha eu sendo preconceituoso, também…

Explico: é que, para mim, música “decente” é a que gente consegue assobiar pelas ruas; que tem melodia! Música que, mesmo quando repetitiva, não é monótona, como: “Bolero”, de Ravel; “Samba de uma nota só”, de Tom Jobim e Newton Mendonça; ou “Changes”, do Black Sabbath.

A música clássica já foi popular! Pessoas se amontoavam frente aos teatros, para ouvir “lançamentos” de Verdi, Tchaikovsky, Mozart e outros. Depois, os cantavam ou assobiavam suas obras por ruas, mercados…

Popularizar a música clássica pode ser um primeiro passo para a flexibilização e diversificação do gosto das pessoas; para suplantar o hoje arraigado preconceito de que popular é sinônimo de baixa qualidade.

Assim, seja bem-vindo André Rieu! E que seus detratores parem de considerar a música erudita como néctar exclusivo dos deuses, disponível apenas para poucos “iniciados”. Em vez disso, que a divulguem como água potável e portável a todos. E, com ela, outras, que também elevem nossa alma, sem sepultar nossos neurônios na vala comum da mediocridade cultivada por gananciosos sem escrúpulos.

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa / Comportamento) | Caso queira receber gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas, Dest’Arte e Claras Visões, basta solicitar pelos e-mails: [email protected] e [email protected] | Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 | (13) 97723538 | Santos – SP

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *