As cidades do mundo

Na Antiguidade e até boa parte da Idade Média não existiam países, mas cidades-estados, reinos e impérios, que digladiavam entre si, em busca de matérias-primas, escravos, riquezas, poder. Nas guerras, as cidades vencidas eram saqueadas e queimadas. Reinava a força das armas e do misticismo, a dominação física e psicológica. A consolidação das fronteiras geográficas dos países atuais foi estabelecida pela diplomacia, pela ganância ou pela violência, sendo que algumas ainda permanecem frágeis, por sua artificialidade, ou separadas por “terras de ninguém”.

As crises econômicas e suas consequências usuais – preconceitos, inclusos – transformaram essas fronteiras em perímetros de tensão, com rígido controle para o acesso de imigrantes: rígido no concreto dos muros, na ação de polícias e na definição de políticas. Assim, o mundo ainda vive em meio a barreiras físicas e psicológicas, só que o poder econômico tende a superar as guerras convencionais, embora elas ainda persistam, convenientemente, sob forma de velado controle populacional ou descarado lucro para traficantes de armas.

Mas, se os limites físicos impedem o ir e vir entre nações, nem tudo acata essas regras territoriais: as alterações climáticas, por exemplo.

E o que os países fazem para mitigá-las? Bem, ainda pouco, talvez porque seus dirigentes estejam distantes do povo, preocupados com macro-questões, se bem que os efeitos das alterações climáticas também são globais.

Talvez em razão disso, algumas cidades resolveram encarar a questão de forma direta, criando o C40 Cities Climate Leadership Group, que congrega várias delas, com mais de 3 milhões de habitantes ou cujas iniciativas sejam marcantes no âmbito da mitigação dos efeitos das alterações climáticas. O Brasil é representado por São Paulo e Curitiba.

Tive a oportunidade de participar do C40 São Paulo Summit, onde pude conhecer mais a fundo as propostas e iniciativas desse grupo. Ali, encontrei representantes de vários países, raças e credos. Roupas e rostos exóticos coloriam as atividades desenvolvidas, que incluíam apresentações de estudos e experiências no enfrentamento de problemas que afligem a todos.

Prefeitos, políticos, cientistas, técnicos, estudantes e público em geral ali estavam para se posicionarem, conscientes do desafio de equilibrar questões econômico-financeiras, tecnológicas, sociais e ambientais na complexa equação da preservação do planeta e da humanidade.

O mundo se reuniu sob forma de cidades, para discutir: energias renováveis, destinação de resíduos, edifícios e cidades inteligentes, cidades compactas e outras iniciativas ambientalmente sustentáveis. Também vi sentados à mesma mesa, trocando experiências e oferecendo auxílio técnico e financeiro, países que até bem pouco tempo se engalfinhavam em guerras sangrentas. E os olhares eram amistosos, francos, interessados e proativos!

É claro que existem interesses econômicos envolvidos, mas as cidades parecem menos preocupadas com o que tem distanciado países, e mais interessadas em resolver problemas e desafios comuns, em parceria.

Quem sabe esse exemplo sensibilize os dirigentes mundiais, para que também busquem diálogo e aproximação mais objetivos e menos intransigentes, na busca de soluções para as macro-questões, das quais as ambientais são inadiáveis, sob pena de comprometimento das futuras gerações. Quem sabe assim, um dia, nossos filhos e netos conheçam um mundo onde as fronteiras sejam apenas limites administrativos, e não mais barreiras de intolerância.

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa)
Caso queira receber gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas e Dest’Arte, basta solicitar pelos e-mails: [email protected] e [email protected]
Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 (13) 97723538

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *