Conselho de Direitos Humanos começa com debate sobre a Síria

Apesar de objeções do Irã, o conselho decidiu abordar a crise do país no oeste asiático por considerar crítica a situação da violência

MÍDIA | Camila Viegas-Lee, da Rádio ONU em Nova York

O Conselho de Direitos Humanos começa nesta terça-feira com um debate especial sobre a situação da Síria. O tema foi proposto pelo Qatar e foi saudado por diversos dos 47 países membros do conselho e pela alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay. A presidente do conselho, Laura Dupuy Lasserre, recebeu uma reclamação formal ao debate especial do Irã, que é um observador. No entanto, Lasserre espera que o conselho será unânime em condenar a violência e exigir acesso humanitário às áreas afetadas.

Lasserre quer passar uma mensagem unânime e forte da comunidade internacional condenando a violência das forças armadas sírias.

Violência não apenas contra os dissidentes mas também contra a população civil em geral e os que reivindicam uma democratização legítima e o respeito pelos direitos humanos.

Segundo a presidente, a situação humanitária é crítica. Ela espera obter uma resposta positiva das autoridades sírias para que assistência humanitária possa ser fornecida regularmente a todas as pessoas cujos direitos humanos foram afetados, inclusive o direito a vida.

Desde março do ano passado, mais de oito mil pessoas morreram na Síria por causa dos confrontos entre tropas do governo e opositores ao presidente Bashar al-Assad.

Categorias: , Tags: , , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *