De artista e de louco…

De médico e de louco todo mundo tem um pouco! Esta expressão está associada à obra de Stevenson, “O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde”, que ganhou notoriedade ainda maior quando uma adaptação do cinema mudo escolheu como título “O Médico e o Monstro”. No livro, o cientista criou uma fórmula para separar a razão do instinto, mas, em nome da dramaticidade, associou essa irracionalidade à amoralidade. Assim, esse passou a ser o imaginário da loucura. E os loucos em geral, muitos deles frutos do excesso de racionalidade ou da ação de outros “loucos”, passaram a ter um único destino: o hospício! E muitos manicômios ficaram famosos em função disso: “Ficou Pinel!”, “Teu lugar é no Juqueri”. Até música fizeram: “Brrrrum! Preciso me cuidar, senão eu vou pra Jacarepaguá!”.

E muitos “loucos” passaram a ser classificados por conveniência:

Rebeldia virou loucura! Protestar contra poderosos também, afinal: “Manda quem pode. Obedece quem tem juízo. “Acesso de loucura” virou atenuante para crimes premeditados, mas ser “louco” também virou desculpa para afastar pessoas “indesejáveis” do convívio social, ou para atenuar os excessos das classes dominantes: “Pobre é louco. Rico é excêntrico”. No entanto, o médico Simão Bacamarte, da obra “O Alienista”, de Machado de Assis, ao perceber que quatro quintos da cidade eram internos em seu hospício, resolveu soltar todos e trancafiar os considerados “sãos”…

O fato é que, até bem pouco tempo, qualquer distúrbio ou limitação mental, sobretudo nas classes menos favorecidas, tinha como destino certo o manicômio, com direito a procedimentos que, em outras circunstâncias, seriam considerados tortura, desumanidade!

Então, recentemente, fui encarregado da programação de palestras do Rotary Club de Santos-Porto…

Pensei logo em convidar o Arte-Educador Renato di Renzo, que em 1989 revolucionou o Brasil com suas experiências no Hospital Anchieta, criando o Projeto “TAMTAM” (o tambor africano!).

Pensei que seria difícil, mas ele prontamente aceitou o convite, já escolhendo o tema: “TAMTAM: Saúde Mental, Arte e Cidadania”.

No dia, ele dispunha de apenas 15 minutos para sua apresentação… Poderia ter falado por horas!

Santista nato, ele confessou estar muito feliz em ali estar porque, passados mais de 20 anos da ação no Anchieta, tornada referência mundial, poucas vezes fora convidado a falar sobre seus projetos em sua cidade natal.

Depois, falou apaixonadamente sobre seus conceitos e crenças, lembrando que a loucura nada mais é do que uma paixão desenfreada, daquelas que quase todos já tivemos; instantes em que convenções perdem seu poder limitador, abrindo espaço para os instintos, quando a criatividade humana atinge seu ápice e a arte se manifesta em estado puro.

Sua proposta no Projeto TAMTAM, hoje transformado em ONG, é de usar manifestações artísticas, que tem seu quê de loucura em relação à realidade, como ponte terapêutica para fazer o caminho inverso, melhorando a qualidade de vida de milhares de pessoas, reintegrando-as à sociedade.

A repercussão dessa proposta foi tão significativa que fundamentou a lei antimanicomial em vigor!

Concluiu com sincera emoção, relatando seus outros projetos de arte-educação e resgate de cidadania, como o “E aí, beleza?”, que já levou ao palco do Teatro Coliseu gente que revelou jamais ter sonhado sequer passar diante dele, quanto mais nele atuar. Inclusão social!

Que belo trabalho, Renato! Que doida e contagiante paixão essa de ser louco por arte, pela arte e destarte transformar loucura em arte, auxiliando na cura, sem descartar, isolar ou continuamente dopar seres humanos!
Você mais do que nos provou que de médico, de artista e de louco todos precisamos ter um pouco!

PS.: Quem quiser conhecer a Associação “TAMTAM” é só acessar: http://www.tamtam.art.br/

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa)
Leia outros textos do autor e baixe gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas e Dest Arte em: www.algbr.hpg.com.br
Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59
E-mails: [email protected] e [email protected]
(13) 97723538

2 respostas
  1. Antunes Severo says:

    Olá, Mariângela: agradecemos o seu comentário e informamos que está publicado no site por se tratar de matéria de interesse, mas que ultrapassa os limites do “Comments. A matéria está com o título Obrigado aos fãs e amigos de Dick Farney. Grato.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *