Depressa

Se alguém pesquisar o significado da palavra – depressa, com certeza encontrará rapidamente.

Opa. Rapidamente porque temos sempre um dicionário perto de nós; graças à tecnologia ficou mais rápido encontrar respostas. Encontramos depressa o que precisamos. Rapidamente digitamos e já temos a resposta; com ou sem pressa, embora geralmente tenhamos pressa.

Depressa é um advérbio. Advérbio é uma palavra invariável que expressa uma circunstância do verbo; no caso de – depressa – um advérbio de modo, tal como: delicadamente, fielmente, devagar, mal, melhor, pior, suavemente e claro, rapidamente.

E é assim que vivemos hoje: tudo com pressa, tudo depressa, tudo para ontem quando não para anteontem. Muitos acordam quase que num pulo. Se arrumam para sair, rapidamente. Comem alguma coisa, brevemente e saem depressa. No caminho são frequentemente interrompidos pelo trânsito, a falta de mobilidade. Encontram pelo caminho os apressados pedestres que quase esbarram nos seus carros fora da faixa de pedestres. Há os motoqueiros que passam quase que voando por entre os carros. Outros motoristas vão simplesmente se enfiando na frente dos demais veículos. Todos com pressa. Por quê?

Parece que por um lado o sistema econômico nos leva à correria, mas também podem ser outras coisas. Talvez excesso de atividades. Quem sabe falta de organização. Dormir e acordar um pouco mais cedo. De um jeito ou de outro a maioria de nós vive correndo, pelo menos enquanto temos saúde. Se bem que se ficarmos doentes teremos que “correr” para conseguir um atendimento de qualidade e enquanto haja tempo de continuarmos vivendo em nossa correria. Quando morremos outros irão correr por nós atrás de toda burocracia que judia de quem perde alguém.

A pressa nos leva à opressão, ou seja, nos sentimos oprimidos, sujeitos a algumas coisas as quais não queríamos estar sujeitos. E para piorar, a opressão pode nos tirar do sério.

“A opressão pode levar o sábio à loucura…” Eclesiastes 7:7. Bíblia. Quantas coisas falamos ou fazemos e só depois nos damos conta da besteira dita ou ação impensada? Isso quando nos damos conta, sabe lá o quanto erramos e pela – opressão ou pressa – nem sequer notamos. Magoamos, ferimos, agimos com injustiça e acabamos com a nossa própria saúde, física e mental.

Creio que por ora, por enquanto, talvez só por hoje, poderíamos “tirar o pé do acelerador da vida”. O alcoolistas em recuperação costumam dizer aos companheiros de AA e ao Poder Superior em agradecimento: “Hoje eu não bebi”, e dizem mais: “Desejo para mim e para os companheiros mais 24 horas de sobriedade”.

Peço licença ao AA para usar parte de sua sábia frase: “Desejo para mim e para os leitores pelo menos 24 horas sem pressa”. Gostaria de pedir mais tempo, mas nem sei se vou iniciar essas primeiras 24 horas. Em todo caso podemos tentar, é só não ter pressa.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *