Ditados questionáveis

Há ditados que “caem como uma luva”; servem para alertar que “seguro morreu de velho”. Ou ainda, nos faz ver que “o chapéu serviu”.

Já outros nos deixam com “uma pulga atrás da orelha” quando ouvimos o famoso “faça o que digo, mas não faça o que eu faço”.

Tem aqueles que nos abrem os olhos, “quem vê cara não vê coração”. Mas, aqui entre nós, há ditados que não descem nem com uma Coca-Cola bem gelada. Alguns que tenho ouvido ao longo dos anos e particularmente considero muito questionáveis:

“A ocasião faz o ladrão”. Bem, se assim fosse, isso significaria que todos somos ladrões em potencial. Seus filhos, meus filhos, minha mãe e seu pai. Caráter e integridade se têm ou não. Quem não é ladrão, quem não é desonesto jamais aproveitaria uma – suposta oportunidade para roubar. Logo, a ocasião parece não fazer o ladrão, antes, “a ocasião revela o ladrão. Revela; não faz. Quem é desonesto é revelado na primeira oportunidade, a procura, a cria.

“Em time que está ganhando não se mexe”. Grandes empreendedores discordam desse ditado. Ele dá entender que se parece que as coisas vão bem, pra que mexer? Acontece no concorrido mercado de trabalho ou quaisquer outras situações. Parece cômodo deixar como está. Pensar ou dizer: “Ah, tá bom assim, pra que mexer, pra que ter trabalho se está dando certo?” Com certeza sempre há o que aprimorar, mesmo que o “time” esteja ou pareça estar ganhando.

“Política, futebol e religião não se discutem”. O que se discute então, novelas, programas de TV de baixa qualidade, a cor da casa do vizinho? Parece que muitos entendem que – discutir – seja sinônimo de brigar, de falar mais alto, de ser o dono da razão, sem contar o medo de ouvir uma opinião ou ideia diferente da nossa ou das que nos empurraram “guela abaixo” ao longo da vida, sem nos dar o direito que perguntar o por quê?

E pensando bem, a quem interessa que tais temas não sejam discutidos de forma inteligente, respeitosa e adequada senão aos que dominam e lucram sobre a ignorância?

“Deus é pai não é padrasto”. Os bons padrastos e madrastas que o digam; como é cruel esse ditado. Há padrastos e madrastas que são mais que verdadeiros pais e mães. E nem é só porque também sou padrasto. Sou pai assim como outros que não são pai ou mãe de sangue; qual a diferença?

“Era para ser assim. Tinha que acontecer”. Se ouve muito isso após tragédias, até no trânsito. Se fosse verdade não haveria culpados ou responsáveis e irresponsáveis; afinal de contas, se era para ser…tinha que acontecer.

Questionar de forma respeitosa e com interesse em aumentar a compreensão é algo necessário.

Algumas frases que são mais do que ditados: “O homem nasce livre e por toda parte é acorrentado”. Jean-Jacques Rousseau. O que leitor tem em mente quando lê isso?

“A pessoa ingênua acredita em qualquer palavra, mas quem é prudente pensa bem antes de cada passo”. Provérbios 14:15. Qual o significado dessas palavras?

Ditados interessantes e questionáveis estão por aí. Chegamos numa época em que se diz:
“Ele rouba, mas faz”.

“A voz do povo é a voz de Deus”. Esse me faz escorregar na cadeira ao escrevê-lo; quando o escuto sinto o estômago embrulhado. Quem disse esse absurdo? Uma coisa é respeitar o povo, a população, seus direitos e deveres, ouvir sua voz, mas o ditado em si é horrível.

Quando as opções são poucas e ruins qualquer ditado pode ser aceito. Eles acabam caindo como uma luva nas mãos de quem prefere que nada se discuta, que nada mude; afinal de contas, se em time que está ganhando não se mexe…

Mas qual o time que está ganhando? E quem vai questionar?

Categorias:

Por Deivison Hoinascki Pereira

Jornalista, barbeiro, acadêmico em Letras Língua Portuguesa pela Faculdade Estácio de Sá, escritor, produtor e apresentador do programa de rádio - Na cadeira do barbeiro. Mantem o blog: http://deivisonnacadeiradobarbeiro.blogspot.com.br/ E colunas nos Jornais Biguaçu Em Foco. Cronista do Portal Caros Ouvintes.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *