Dobrado Dr. Hercílio Luz continua em pauta

Matéria do jornalista e pesquisador Carlos Braga Mueller recentemente publicada pelo Caros Ouvintes continua em evidência.

Acordes iniciaisUma Canção para Hercílio Luz, dobrado criado em homenagem ao ex-governador quando de seu último mandato na década de 1920, poderia ter influenciado composições musicais mais recentes.

Em contato com Carmelo Krieger, presidente do Museu Aldo Krieger, de Brusque, solicitamos uma avaliação comparativa com modinhas de compositores catarinenses, nesses  últimos anos.

Consultado por Carmelo, o musicista Bruno Moritz disse: “Realmente Carmelo, é um pouco parecida com algumas coisas do Aldo. O fato é que nessa época se compunham esses dobrados de maneira a ser muito fiel à tonalidade, ou seja, não se usavam notas que não estavam na ESCALA do tom usado. Por exemplo se o tom fosse Re Maior usariam-se na melodia Re Mi Fa# Sol La Si Do#. Usando somente 7 notas e 4 figuras de duração como é o caso em questão (Mínima, Semínima, Colcheia e Semicolcheia) sobram poucas combinações convencionais. Aliando isso ao Campo Harmônico (conjunto de acordes baseada na escala/tonalidade escolhidos) sobram menos combinações ainda (somente 3 acordes maiores). Contando ainda mais o estilo específico dessa época de se compor (estilística, forma) o que acaba acontecendo é que muitas músicas se tornam parecidas. As vezes tem a mesma harmonia em alguma parte, ou as vezes tem uma escala descendente num final de frase que é igual (a frase vai respeitar a escala)e geralmente tem a mesma cadência final representada pelo famoso I- IV- V, no caso da escala de RE= Re Maior (D) Fa Maior (F) e La Maior (A). Portanto, somando todas essas variáveis o resultado pode ser parecido. Isso acontece muito em músicas do mesmo gênero, sempre haverá um choro que lembra outro choro, ou uma passagem de uma valsa que lembra outra é praticamente inevitável quando o assunto é musica TONAL”.

Leia a matéria e ouça a canção aqui.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *