DOIS JINGLES DE NATAL INESQUECÍVEIS

Há verdadeiros tesouros no acervo de jingles publicitários do passado. Certos jingles possuem o poder de marcar de forma indelével as nossas lembranças e acabam moldando a nossa memória afetiva. Perduram no imaginário coletivo com uma força extraordinária. Nestes dias pré-natalinos, vale a pena  ouvir novamente o jingle da Varig e o do Banco Nacional.
Por Chico Socorro

Estrela brasileira no céu azul: VARIG
Jingle criado em 1960 pelo paulistano Caetano Zamma, um dos integrantes do grupo paulista de Bossa Nova, ao lado de Johnny Alf, Agostinho dos Santos e Maysa. Ele compôs cerca de 150 músicas.
Mas, o jingle de Natal de 1960 da Varig, apesar de seu caráter publicitário, é a sua canção mais conhecida, gravada originalmente por Clélia Simone. A vitalidade desse jingle pode ser comprovada pelo fato de o mesmo foi regravado, com Jorge Benjor nos vocais,  e ressurgiu no Natal de 2005.
Letra original:
Estrela das Américas no céu azul
Iluminando de Norte a Sul
Mensagem de amor e paz
Nasceu Jesus, chegou o Natal
Papai Noel voando a jato pelo céu
Trazendo um Natal de felicidade
E um Ano Novo cheio de prosperidade
Assinatura: Varig, Varig, Varig

:: Clique aqui e ouça o jingle da VARIG

A letra foi mais tarde modificada: o verso “estrela das Américas” foi mudado para “estrela brasileira”.
Institucional de Natal do ex-Banco Nacional
Essa canção natalina, levada ao ar no Natal de 1975, é considerada uma das três mensagens de natal brasileiras mais famosas de todos os tempos.
Criação imortal de do compositor Edson Borges de Aguiar, o “Passarinho”, a pedido de uma agência de publicidade  que ajudou o Nacional a se transformar, em seu tempo, num dos 5 maiores bancos privados do País: a JMM Publicidade, do Rio de Janeiro.
A canção de Natal do Nacional integrou-se à cultura brasileira e faz parte do nosso cancioneiro popular. Mesmo após a extinção do Banco Nacional, as crianças de hoje já ouviram esse jingle em algum lugar e sabem canta seus versos.
 
O jingle ganhou o Prêmio Colunistas de  Melhor Mensagem de Natal de 1975.

Detalhe: o catarinense Emilio Cerri Neto fazia parte da equipe da JMM naquela época, cuja Criação era comandada pelo hoje ícone publicitário Lula Vieira.
Vejamos a letra por inteiro:
Quero ver
Você não chorar,
Não olhar pra trás,
Nem se arrepender
Do que faz.

Quero ver
O amor vencer,
Mas se a dor nascer,
Você resistir
E sorrir.

Se você
Pode ser assim,
Eu vou crer
Que o Natal existe,
Que ninguém é triste,
Que no mundo
Há sempre Amor.

Bom Natal!
Um Feliz Natal!
Muita flor e paz
Pra você…

:: Clique aqui e ouça o jingle do Banco Nacional


{moscomment}

1 responder
  1. marcello says:

    O jingle do NACIONAL está errado. O correto é

    Se você
    Pode ser assim,
    Tão enorme assim eu vou crer
    Que o Natal existe,
    Que ninguém é triste

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *