E, ela, por sua vez, ficou envergonhada

Rio das Flores é uma cidadezinha do Estado do Rio. De repente, virou à besta e passou a ser o centro das atenções de todo o Brasil, devido a um drama que lá ocorreu e que se parece muito à coisa de Shakespeare.

Ilustração 1Amor impossível que termina em suicídio. Só que a história de Romeu e Julieta, ao final de contas, é uma história romântica, bonita e que enternece corações… A história de José e Ana, ao contrário, dá pena na gente, pois é o tipo da história sem nexo, sem lógica, sem pé nem cabeça.

Foi assim: José dos Santos era casado com Margarida Rocha e tinham dois filhos. Era bem empregado, parecia viver feliz com a esposa, quando não se sabe porque cargas d`água, começou a gostar de Ana Rosa, esposa de Arcelino Amorim Severo, primo do Prefeito local.

Ora, José tinha 38 anos e Ana 54. Tipo da mulher que encasqueta e encasquetou: que amava.

Ele achou que Ana era o grande amor de sua vida e aos poucos foi se afastando da família, do emprego, a ponto de passar horas e horas sentado na rua próxima à casa de Ana, olhando-a de longe, para satisfazer seu amor insatisfeito e impossível.

Margarida, um dia, tomou conhecimento do fato e repreendeu o marido, em vão. José se fez surdo como uma porta e continuou a amar Ana de longe. Até que um dia seu estado mental degringolou.

Com uma dose de corrosivo nas mãos na frente de um amigo boquiaberto ingeriu o veneno e calmamente foi beber água num córrego, nas proximidades do Grupo Escolar Manoel Duarte. Andou, ainda, uns passos e… bumba! Esticou as canelas!

Sua mulher Margarida, ao saber do fato, ficou desesperada e foi meter a boca em Ana, dizendo ser ela a culpada da morte do marido.

Ana que nada tinha a ver com o peixe, por sua vez ficou envergonhada e como solução também tomou veneno, suicidando-se.

Margarida, então, diante deste segundo suicídio, também tomou veneno. Queimou a língua e foi socorrida a tempo por familiares.

O quarto personagem da tragédia, o Arcelino, marido de Ana, por sua vez, foi tentado pelo Demo e atirou-se na via férrea. Enquanto isso, Melquíades de Souza, simultaneamente, suicidava-se ao saber que a mulher da qual se separara, vivia maritalmente com outro que nada sabia da estória que estamos contando.

Depois de tanta tragédia procurou-se saber porque em Rio das Flores todo o mundo gosta de venenos. É que houvera, há tempos, uma liquidação de formicida e o povo todo comprou. E, volta e meia, a cidadezinha é motivo para cronistas e escritores passarem o tempo e participarem de algum concurso literário…

E, antes que me esqueça, você quer o endereço…?

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *