Eli Francisco e o aniversário do Rei

RC e Eli Francisco, Joinville 1999

Todos nós vivemos do resultado de nossas experiências diárias, sejam elas de caráter pessoal, profissional ou social. No caso dos radialistas esse “tempero da vida” parece ter gostinho especial, pois convivemos com as mais diferentes situações em quase tudo o que fazemos no dia a dia da nossa atividade. Tanto estamos entrevistando um morador de rua como, logo em seguida, estamos numa coletiva com uma celebridade pública: um cientista notável, um astro do esporte ou uma grande estrela da música e do canto. Pois aqui se conta a experiência do radialista José Eli Francisco com Roberto Carlos e com isso homenageamos o Rei que depois de amanhã, 19/4, completa 70 anos de idade. “Cheguei a entrevista-lo na década de 1960, em plena jovem guarda, na residência do então deputado federal Lauro Carneiro de Loyola, onde ficou hospedado. 

A residência ficava ao lado da rua que dá acesso ou dava ao Anthurium Parque Hotel. Antes não havia a JK. Ali eu fiz minha primeira entrevista com RC”, arremata Eli Francisco feliz da vida.
 
E acrescenta: “Tive a oportunidade de entrevista-lo várias vezes e anunciá-lo em alguns shows em Joinville, um deles de casa lotada no Ivan Rodrigues. Pelo telefone conversei várias vezes com Lady Laura em sua residência e ela o chamava para entrevistas. Conversava sempre com muita simplicidade e me tratava de amigo. Durante 32 anos anunciava o rei todos os dias às 11 horas no meu programa Show das Dez pela Rádio Cultura AM, onde mantenho ainda meu vínculo empregatício. A partir desta hora  a dona de casa já apurava o almoço”.
 
O Zé Eli conhece detalhes e faz revelações: “Das músicas que mais gosto é “Outra Vez” que não é dele e sim de Isolda irmã do saudoso cantor Milton Carlos que faleceu vítima de desastre de automóvel. Todo mundo pensa que essa música Isolda vez para um grande amor de sua vida. Ledo engano. Ela fez pensando no irmão, na época, recém falecido. Esse depoimento ela deu no programa do Jô Soares  há muito tempo. Dá prá notar que a letra não tem refrão. É uma história de amor”, conclui: “Na foto, logo após o show no Centreventos Cao Hansen, em 28 de abril de 1999, ele me deu uma rosa e ‘me abraçou sorrindo’…”.

Categorias: , Tags:

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

1 responder
  1. José Eli francisco says:

    Obrigado caro amigo Antunes pela publicação .
    RC é um homem predestinado a fazer sucesso , mas também a perder pessoas preciosas que o fizeram sofrer nesta longa caminhada . Ontem ( dia 17.4) fez um ano que sepultou sua mãe Lady Laura e no sábado a filha adotiva do primeiro casamento com Nice – Ana Paula , aos 47 anos . Rei também sofre ….

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *