Elóy Simões, o mestre compenetrado

Elóy Simões, que ajudou a mudar a publicidade no estado de Santa Catarina, morre aos 78 anos, vítima de câncer em Piracicaba, SP.

Foto: AS/CarosOuvintes

Foto: AS/CarosOuvintes

[ Paulo Clóvis ]

Quando Elóy Simões chegou à Florianópolis, 22 anos atrás, a maioria dos publicitários tinha pouco contato com as grandes agências e muito do que sabiam fora aprendido na prática diária ou de “ouvir falar” do trabalho desenvolvido fora do Estado e do país. Com passagens por empresas de ponta do setor, Simões começou (em Santa Catarina) na EXXA Comunicação e passou a compartilhar com os mais jovens o vasto conhecimento adquirido. Depois, ajudou a consolidar o curso de Publicidade e Propaganda da UNISUL (Universidade do Sul de Santa Catarina), que colocava no mercado, a cada ano, mais de 30 profissionais que hoje reconhecem o legado deixado por ele em mais de duas décadas de vínculo com o setor na Capital e região.

Na sexta-feira, 8/8, aos 78 anos, meses após um infarto que teve em Florianópolis, Simões morreu num hospital de Piracicaba (SP), para onde foi transferido a cerca de 40 dias. Logo depois das 6h50min, quando a noticia de sua morte começou a circular nas redes sociais (um câncer descoberto durante a internação complicou o quadro de sua saúde), colegas publicitários e jornalistas passaram a ressaltar as características do homem e profissional com quem haviam convivido. “Não há quem não goste dele, de suas risadas, (…) do seu jeito de ser gente boa e ética”, escreveu o jornalista Laudelino José Sardá no Facebook.

Mais tarde, o publicitário Emílio Cerri disse que sempre lembrará de Simões por sua generosidade e pelo gosto que tinha em passar adiante os conhecimentos que acumulou na carreira.

Antes de se fixar em Florianópolis, atendendo a uma provocação do colega Emílio Cerri, o publicitário havia trabalhado – e sido premiado – em agências de São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória (ES), Caracas e Santiago do Chile. O slogan “Leite condensado, caramelizado, com flocos crocantes e coberto com o delicioso chocolate Nestlé”, sobre o Chokito, marcou sua trajetória. Formado em Jornalismo, foi redator, diretor de criação e operação e assessor de imprensa.  Estruturou e dirigiu o marketing do S. Paulo F.C. e lecionou em instituições de ensino como ESPM e Fundação Brasileira de Marketing.

Criador de prêmios importantes

Todos os depoimentos sobre Elóy Simões ressaltam a figura compenetrada (embora sem perder o bom humor), justa e apaixonada pela arte de ensinar. “Tinha uma sabedoria como poucos e era uma pessoa ponderada, justa e maravilhosamente generosa”, destaca Antunes Severo, criador da agência Propague. “Nas reuniões, diante de assuntos complexos, ouvia sem falar, e no final apresentava visões não abordadas sobre o assunto em pauta. Foi um dos profissionais mais disputados do Brasil”, reforça Severo, que administra ao site Caros Ouvintes em Florianópolis. Simões foi o criador do prêmio ACAERT de rádio e televisão, que existe até hoje e contempla os melhores trabalhos profissionais e acadêmicos na área da publicidade.

Outo evento de porte criado por Simões é o prêmio Colunistas, um dos mais importantes do país, realizado pela Abracom (Associação Brasileira das Agências de Comunicação). Num desses encontros Emílio Cerri conseguiu convencê-lo a se mudar para Santa Catarina, para onde veio e de onde nunca mais saiu para qualquer compromisso de longa duração. “Ele nos ajudou aqui com eu conhecimento e experiência com agências internacionais”, disse Cerri. “Nunca gostou de misturar propaganda com o editorial e usava a criatividade de forma inteligente, considerando o caráter comercial da comunicação.

Experiência dividida com o mercado

De acordo com o jornalista Laudelino Sardá, Elóy Simões também costumava condenar o uso excessivo de artistas e jogadores de futebol nos comerciais de televisão. Entendia que o público presta atenção no ator ou atleta e não no produto. De sua parte as agências se acomodaram e passaram a investir pouco na criação. Por isso, ele começou a preparar campanhas feitas pelos alunos da Unisul e apresenta-las às empresas, integrando a academia como mercado. “Assim, os estudantes saiam empregados da faculdade”, conta Sardá.

Foi pela universidade que Simões lançou seu último livro, “Bordões, Slogans & Conceitos na publicidade brasileira”,  em 2013.

O presidente da ABAP/SC – Associação Brasileira de Agências de Publicidade, Daniel Araújo afirma que Simões fez da D’Araújo a primeira agência de Santa Catarina com diretoria de planejamento, quando chegou ao Estado após deixar a Young & Rubicam. “Foi o primeiro publicitário a vir de São Paulo para cá, a dividir a sua experiência com o nosso mercado, e nós devemos a ele a qualidade que hoje temos na propaganda catarinense”, diz.

O corpo de Elóy Simões foi cremado na manhã de sábado, 9/8,  na Vila Alpina, em São Paulo. Em Florianópolis, a missa de sétimo dia está marcada para quinta-feira, dia 14, às 19h30, na igreja de Santa Catarina de Alexandria (Anexa ao Colégio Catarinense), na rua Esteves Júnior, 711.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *