Empatia e sensibilidade

Num mundo em que muitos reclamam do capitalismo. A população entretida em inúmeros afazeres de ordem profissional, acadêmica, social e recreativa.

luto

A tal crise financeira. O desejo de ter cada vez mais. Longos dias de trabalho. Picuinhas entre amigos e familiares. Toda uma correria “maquiada” por uma aproximação on-line.

Estamos mais próximos graças à tecnologia ou estamos nos enganando?

Em nossas aparições nas redes sociais através de fotografias, opiniões e mensagens parecemos felizes, completos e decididos.

Por que parece ser preciso ocorrer uma tragédia para nos fazer parar, pensar e usar de empatia? Nos colocar no lugar dos outros. Ou “sentir em nosso coração a dor de outro”.

Tragédias envolvendo guerras, violência contra adultos, mulheres, idosos e crianças ocorrem em todo o mundo e todos os dias. Parece que o sofrimento alheio é algo distante.

Na realidade nem sempre é assim. Esta semana uma tragédia mexeu profundamente com os sentimentos da maioria das pessoas, até aqueles aparentemente menos sensíveis.

A tragédia na madrugada de terça-feira, dia 29 de novembro de 2016 que tirou a vida de mais de 70 pessoas, entre elas a delegação com time da Chapecoense ultrapassou Chapecó, Santa Catatina e o Brasil.

O time da Chapecoense de maneira modesta e incrivelmente organizada superou dificuldades e ganhou a simpatia dos Catarinenses.

A tragédia nos fez usar além da empatia, a sensibilidade.

Não havia e não haverá como conter as lágrimas. Jornalistas tentando manter o profissionalismo, mas com olhos marejantes e voz embargada.

Homens ficaram perplexos e muitos admitiram que choraram.

De certa maneira parece que todos nos identificamos de alguma maneira; seja como filhos, pais, amigos ou simplesmente humanos.

Afinal de contas, crianças vão enterrar o pai. Homens e mulheres seus filhos.

Comentários em desespero e por falta de respostas são do tipo: “Deus quis assim”. “Era para ser assim”. “Deus tinha um plano para quem morreu e para quem não morreu ou não embarcou no avião”. “Que Deus é esse?”

As religiões continuam deixando lacunas quando o assunto é a morte e tragédias.

Solidariedade às famílias e amigos é essencial. Mas houve alguém ou alguns responsáveis?

Apurar o porquê aconteceu é vital. Se há responsáveis ou irresponsáveis esses devem ser punidos. Não trará de volta os que morreram, mas punirá culpados e poderá evitar outras tragédias.

Que lição ficará em nossas vidas? O que pretendo mudar na minha maneira de viver e encarar amigos, familiares, colegas de trabalho e vizinhos?

Se continuarmos a aguardar por tragédias para nos fazer refletir e nos unir haverá necessidade de mais mortes trágicas.

Mas se usarmos da capacidade de nos colocar no lugar dos outros nas mais diversas situações, sentindo suas “dores em nosso coração” vamos demonstrar – empatia.

Se nos sensibilizarmos com as pessoas em situações que não são trágicas e demonstrarmos compaixão, usaremos de – sensibilidade.

Em memória das mais de 70 vítimas, familiares e amigos podemos fazer mais do que lamentar.

Podemos nos tornar melhores!

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *