Espécies de palavras

A pergunta veio em um email: “Quais as palavras são mais fortes, as impressas ou as faladas?” Para responder fui buscar socorro em um livro do americano Jack Trout a respeito de posicionamento. De fato, afirma ele, há duas espécies de palavras. Mas com frequência confundimos as duas embora haja uma grande diferença entre elas. O ouvido é mais rápido que o olho. Vários testes têm demonstrado que a mente é capaz de compreender uma palavra falada em 140 milésimos de segundo. Já uma palavra impressa pode ser compreendida em 180 milésimos.

A explicação para esse atraso de 40 milésimos de segundo, de acordo com os psicólogos, está no fato de que o cérebro traduz a informação visual em sons que a mente possa compreender. Ouvimos mais rápido do que vemos e o que ouvimos dura mais. Uma imagem, seja uma foto ou palavras, desaparece em um segundo, a menos que a nossa mente faça alguma coisa para arquivar a essência da ideia. O que ouvimos, dura quatro ou cinco vezes mais. Em resumo: ouvir uma mensagem é mais eficaz do que a ler. Duas coisas são diferentes. Primeiro, a mente retém as palavras faladas por mais tempo. Segundo, o tom da voz humana dá às palavras um impacto emocional que as palavras impressas sozinhas não podem comunicar. Sabendo disso, você ainda tem alguma dúvida da eficácia do áudio para os negócios?

Categorias:

Por Emílio Cerri

Radialista, jornalista e publicitário. Âncora em rádio e telejornalismo em emissoras de Santa Catarina e Brasília. Como publicitário trabalhou em agências e empresas de Florianópolis, São Paulo, Rio e Brasília. É consultor de comunicação de marketing. Edita vários blogs (inclusive Caros Ouvintes). Palestrante internacional.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

1 responder
  1. Fernando Morgado says:

    Parabéns pelo “RádioBiz” desta semana. Muito pertinente a sua observação sobre a eficácia da comunicação sonora frente à visual. Esse é mais um dos tantos argumentos favoráveis ao rádio que poderiam ser mais usados para promover comercialmente o meio… Ainda bem que temos o Caros Ouvintes para difundir essas ideias! Um grande abraço!

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *