Evelásio Vieira, um visionário que sabia o que queria e como fazer

Fundador da Rádio Nereu Ramos, de Blumenau, no dia primeiro de setembro de 1958, Evelásio Vieira teve papel destacado no melhoramento técnico e profissional da atividade radiofônica no Vale do Itajaí.

Contratou profissionais experientes trazidos de Porto Alegre, Florianópolis e de São Paulo, e foi pioneiro no uso de unidades móveis para coberturas externas. Também foi um dos fundadores do MDB – Movimento Democrático Brasileiro catarinense e teve carreira política como deputado estadual, prefeito de Blumenau e Senador da República. Na sequência, matéria editorial publicada pelo jornal Cruzeiro do Vale de Gaspar/SC

Como já comentamos aqui, foram muitos os homens que ajudaram a construir a história de Gaspar, atuando nos mais diversos setores. Homens que aqui nasceram, que vieram de outras plagas e também os que aqui vieram cumprir missão de curto prazo, porém o suficiente para contribuir significativamente, com idéias e exemplos que muito representaram para o progresso e o engrandecimento do município. E um desses homens, cujo nome hoje ainda a cidade lembra com carinho e saudade foi Evelásio Vieira, o Lazinho, que teve passagem meteórica por Gaspar, mas levando daqui a inspiração e a luz que iluminaria o seu caminho, para tornar-se um desportista, um homem público, um político e um empresário de comunicação dos mais vitoriosos e bem sucedidos do Estado.

Como tudo começou aqui, a história do Lazinho não pode deixar de ser registrada neste espaço onde, modestamente, estamos tentando compor e resgatar o quadro de honra dos que contribuíram para fazer a nossa história.

Excelente meia direita, Lazinho chegou a Gaspar pelas mãos do nosso glorioso Tupi, cujos diretores resolveram formar uma grande equipe para disputar o Campeonato da Liga Blumenauense de Futebol de 1949. Lazinho morava em Canoinhas, terra de sua esposa Elfrida, onde jogou pelo Ipiranga local e era sócio do jornal Barriga-Verde, com o jornalista Almino Dudang.

Quando foi contratado, jogava pelo Palestra Itália, de Curitiba, de onde se desligou e veio a Gaspar para conhecer os diretores e jogadores do seu novo clube e participar dos primeiros treinos e jogos amistosos que o Tupi programara. Figura extremamente popular, otimista e conciliador, não é preciso dizer que Lazinho foi a grande estrela do alviverde gasparense que brilhava dentro e fora dos gramados, fazendo aumentar o prestígio do Tupi, onde já se destacavam vários jogadores “prata de casa”, como Daniel, Vicente, Pivi, Cote. Nana, Ninha e tantos outros. Homem de visão, ao aqui chegar, Lazinho notou algumas deficiências na estrutura da cidade e ele próprio tratou de supri-las. A primeira delas foi a instalação da Gráfica Tupi para a composição de impressos e a segunda foi o lançamento do jornal, semanário “O Gaspar” para registrar os fatos importantes e defender os interesses da cidade e da população.

Foram duas iniciativas meritórias que a cidade apoiou e aplaudiu e que fizeram aumentar ainda mais o conceito de Evelásio Vieira junto a população. Embora não sendo campeão naquele ano, o Tupi, com o esquadrão que montou, teve uma brilhante participação no campeonato de 1949, realizando partidas memoráveis contra os maiores times da época, como Olímpico, Palmeiras, Guarani, Carlos Renaux e Paissandu.

Encerrado o seu compromisso com o Tupi, Lazinho se transferiu para o Palmeiras, de Blumenau, por quem se sagrou campeão do centenário em 1950, ao lado de jogadores famosos como Teixeirinha, Sadinha, Augusto e outros.

Deixou funcionando aqui, porém, a gráfica Tupi então dirigida por Paulo Salomão e seu irmão Helio Vieira. Quanto ao jornal “O Gaspar” funcionou ainda por três ou quatro anos, quando assumimos a sua redação, arrecadação de anúncios, distribuição, etc.

Em Blumenau, ao lado do futebol, Lazinho continuou a se envolver com a imprensa, tendo fundado com Lulu Reis e José Gonçalves o “Sport Jornal”, órgão especializado em esportes. Amante da política, filiou-se ao PSD – Partido Social Democrático, onde entre outros, teve grande apoio e incentivo do Deputado Federal Leoberto Leal. Foi aí que requereu o prefixo para a instalação de uma emissora de Rádio, fato que aconteceu em 1961, com a inauguração da Radio Nereu Ramos. Com a contratação de profissionais de primeira linha, a Nereu revolucionou o rádio blumenauense com programas de grande penetração popular, tornando-se em pouco tempo a emissora mais querida e ouvida da cidade e da região. Isso deu a Lazinho um prestígio e uma popularidade dignas dos grandes astros e dos grandes líderes. Ele próprio chegou a comandar programas de grande audiência como o “Preto no Branco”. Inteligente e perspicaz sentiu que a cidade necessitava de novas lideranças para mobilizar a população a fim de lutar pelo progresso e desenvolvimento do município. Aproveitou então o advento dos novos partidos – ARENA e MDB – em 1966, para entrar firme na política, tornando-se o grande líder do MDB na região onde instalou o partido em todos os municípios. Nas eleições de 1967, Lazinho já surpreendia ao eleger-se Deputado Estadual, aumentando o seu poder de fogo, pois na Assembléia foi a grande voz em defesa dos interesses do Vale do Itajaí.

Como Deputado, passou a percorrer a região, arregimentando candidatos a prefeitos e a vereadores para as eleições municipais de 1968, onde o partido foi vencedor em vários municípios. Em Blumenau Evelásio Vieira surpreendia mais uma vez os homens da revolução (sic), pois candidatou-se a prefeito derrotando espetacularmente o candidato da ARENA, Marcos Buschler, por uma margem de 200 votos.

Depois que foi eleito prefeito de Blumenau, ninguém mais segurou o Lazinho, pois na prefeitura fez uma administração revolucionaria, colocando Blumenau novamente na rota de progresso. O município, sem duvida, passou a viver novos tempos e o povo tanto gostou que elegeu sucessivamente mais três prefeitos do PMDB, indicados e apoiados por Lazinho, Felix Theis, Renato Vianna e Dalto dos Reis. O sucesso de Lazinho em Blumenau fez o PMDB crescer em todo o estado e em 1974 quando o partido precisava indicar um candidato a Senador da Republica, o escolhido, por unanimidade, foi Evelásio Vieira, a quem coube enfrentar nas urnas o ex-governador Ivo Silveira.

O resultado desse pleito, todos já sabem: mais uma vitória espetacular de Lazinho, que de 1975 a 1982, foi um dos representantes de Santa Catarina no Senado, com brilhante atuação. Ao deixar o Senado, Lazinho assumiu ainda dois cargos públicos importantes: o de superintendente da SUDESUL, com sede em Porto Alegre e o de Secretario da Indústria e do Comercio de Santa Catarina, no governo Pedro Ivo.

Depois dessa verdadeira maratona e intensa atividade na vida publica do estado, Lazinho foi aos poucos se retirando do cenário político, dedicando-se mais a função de empresário de comunicação, pois além da Nereu, a sua empresa já contava , a partir de 1988 e 2001 com mais duas emissoras: a 90 FM e a pioneira Radio Clube, as quais eram administradas por seus filhos, Evelásio Paulo, Edélcio e Edelci.

Como adorava estar com o povo, sempre que podia comparecia a alguns eventos em Blumenau e na região.

Entretanto, a idade e um impertinente problema de saúde não bem definido, recomendava-lhe mais o regaço do lar para descanso. Porem, nem isso o tirou do campo de luta, pois já agora tinha suas atenções voltadas para a construção de um prédio onde pudesse concentrar os equipamentos e a administração de suas três emissoras de Radio. Em 22 de junho de 2004, porém, Lazinho iniciava a batalha mais decisiva de sua vida, quando foi internado no Hospital Santa Catarina com uma trombose intestinal.

De nada adiantaram os esforços dos médicos, pois o ex-senador viria a expirar as 14:30 horas do dia 29, aos 78 anos de idade. Seu corpo foi velado na Câmara Municipal onde recebeu homenagens de milhares de pessoas, sendo sepultado no dia seguinte, no cemitério Parque Jardins Blumenau.

Lazinho nasceu em Indaial, em 25 de novembro de 1925, filho de Genésia e Jose Vieira.

Casou-se em Canoinhas com Elfrida Fischer, tendo o casal quatro filhos; Evelásio Paulo, Edélcio, Edelci e Evelton. Ao, falecer deixou esposa, quatro filhos, oito netos e um bisneto.

Em homenagem ao pai, seus filhos construíram na Ponta Aguda, um edifício de quatro andares que abriga as instalações e a administração das três emissoras, e cujo prédio inaugurado mês passado, tem o nome de “Senador Evelásio Vieira”.

E Gaspar, muito se orgulha em poder incluir o nome de Evelásio Vieira na galeria de honra dos precursores do nosso progresso e desenvolvimento.

O autor é ex-parlamentar e integra a editoria – nome não mencionado pelo jornal Jornal Cruzeiro do Vale de Gaspar/SC, onde esta matéria foi publicada em 26/08/2009

2 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] recordo do bom neto de Lazinho, Evelásio Vieira Neto, tabulando os números para o primeiro turno daquele ano dentro do seu carro […]

  2. […] na vitrine. Nas rodas de conversa nos cafés, os fatos políticos da cidade. Quem vai suceder o Lazinho (Evelásio Vieira) na prefeitura? Será que é muito caro se inscrever num plano de expansão da Cotesc? E o Palmeiras […]

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *