Exposição de fotos divulga memórias da Praça XV de novembro

Muitas pessoas que passam pela Praça XV de Novembro, no Centro Histórico, nem imaginam que o local já foi cercado com gradis de ferro e teve acesso restrito ao público, com horários controlados para visitação.

A Praça com seus muros e grades, em 1894

Essa e outras curiosidades foram apresentadas em uma exposição fotográfica com imagens que retratam transformações ocorridas no entorno da praça entre os séculos 19 e 20. A mostra ocorreu na Casa da Memória em janeiro de 2016.

A Praça vista do arco da Catedral Metropolitana

Ao todo foram expostas 30 imagens que integram o acervo municipal ou foram cedidas para a exposição. Entre elas, destacam-se a reprodução de uma pintura de Vicente Pietro, artista que acompanhou o imperador Dom Pedro II e a comitiva imperial em sua visita à Ilha de Santa Catarina, em 1845. A mostra proporcionou aos visitantes a oportunidade de observar o desenvolvimento da região central e as mudanças na paisagem local ao longo do tempo, a partir do olhar de artistas e fotógrafos em diferentes épocas.

A atividade visa a divulgar o trabalho feito pela Casa da Memória, que funciona como um centro de documentação da vida social e cultural do município, dispondo de um rico acervo para consulta. Gerido pela Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes (FCFFC), o órgão reúne, restaura, organiza, preserva e divulga registros visuais, sonoros, bibliográficos e documentais relativos à história, à memória, à identidade e à produção cultural da cidade.

Além de apreciar a exposição, os visitantes poderam conhecer o espaço e consultar outros acervos disponíveis no local, parte deles compostos por doações feitas pela população. Entre as coleções, destacam-se o Banco de Imagens Sylvio Ferrari, com fotografias de caráter biográfico, histórico e geográfico, e o Arquivo Zininho, que guarda registros sonoros e visuais, organizados pelo saudoso poeta, compositor e radialista Cláudio Alvim Barbosa (1929-1998), autor do hino de Florianópolis. Em 2015, a Casa da Memória registrou a visita de cerca de 6 mil pessoas, entre turistas, pesquisadores e público em geral.

 

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *