“Foi-se o tempo”

A lição do “foi-se o tempo” esquece que viver é algo encantador
Uma das coisas que toda pessoa de idade avançada tem que aprender é a lição do “foi-se o tempo”.

É verdade. Foi-se o tempo em que eu podia fazer isso, foi-se o tempo em que eu podia fazer aquilo, foi-se o tempo em que podia comer tais coisas, ir a tais lugares e por aí afora. Não é fácil, mas a pessoa aprende.

A longevidade é uma dádiva, uma delícia, desde que a gente entenda e administre as limitações que ela traz. Com o passar dos anos a vista enfraquece, a agilidade diminui, a seletividade aumenta, o senso crítico dispara. Já não é qualquer coisa que agrada a gente. É comum ouvir idosos dizerem que a comida de agora não é tão boa como a de antigamente, as pessoas de hoje não são educadas como eram as de outros tempos, o mundo já foi melhor.

É provável que tenham razão, mas não adianta lamentar o leite derramado. Assim como é inútil reclamar da vida por não poder mais dirigir, não poder jogar bola, não poder correr etc., etc., etc. Nós idosos seremos mais tranquilos se nos adaptarmos à vida de agora e reconhecermos o inevitável que existe no “foi-se o tempo”. E fiquem certos de que apesar de todas as dificuldades que a velhice traz, viver ainda é algo encantador. E vale a pena.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *