Galos, noites e quintais

Belchior talvez seja um dos maiores poetas da música brasileira pós anos de 1960! Surgiu com o “Pessoal do Ceará”, que também revelou Amelinha, do “Frevo Mulher”; Ednardo, do “Pavão Misterioso”; e Raimundo Fagner, que dispensa comentários. “Eu sou da lata do lixo. Eu sou do luxo da aldeia. Eu sou do meu Ceará!”, cantavam. Mas logo se dispersaram. Não me liguei em seus destinos, até que, um dia, ouvi Roberto Carlos cantando uma música que era irresistível; impossível de não ser ouvida: Em ritmo de acalanto, doce-amargo, quase tristonho, dizia: “As velas do Mucuripe vão sair para pescar. Vão levar as minhas mágoas, pras águas fundas do mar…”.

Era uma obra-prima de Belchior e Fagner, com frases portadoras de uma pureza infelizmente quase extinta em nossos autores mais recentes: “Calça nova, de riscado; paletó de linho branco, que até o mês passado, lá no campo ainda era flor. Sob o meu chapéu quebrado, um sorriso ingênuo e franco, de um rapaz, moço encantado, com vinte anos de amor”.

Mas essa pureza de Belchior escondia uma rebeldia de sons e palavras que, quando ele queria, cortava como faca ou navalha!

Elis Regina, a “Pimentinha” – que também gravou “As velas do Mucuripe” -, encantou-se com seus “rocks”; soltou a voz e lançou-o ao estrelato. Ela interpretou suas canções magistralmente, sem dúvida, mas ele – com sua voz rouca, grave, nasalada, quase rude, e seu indefectível bigode – o fazia de forma inigualável:

Aguardava a introdução, invariavelmente de cabeça baixa, concentrado, para, depois, avançar uma perna e começar a cantar, como se estivesse dando a partida para uma corrida de fundo: do fundo da alma!

Entremeava frases longas com cortes rápidos. Parecia deixar a música correr, para, depois, alcançá-la. Coisa que só o autor sabe e pode fazer.

Suas músicas foram e ainda são gravadas por outros, mas, em minha opinião, ele continua sendo seu melhor intérprete!

Dava-se ao requinte de fazer duas letras para a mesma melodia! Vanuza gravou “Paralelas” com o refrão: “E as borboletas, do que fui, pousam demais, por entre as flores do asfalto em que tu vais.”; enquanto ele preferiu: “Como é perversa a juventude do meu coração, que só entende o que é cruel e o que é paixão!”. Nessa mesma canção ele sentenciou: “E no escritório, em que eu trabalho e fico rico, quanto mais eu multiplico diminui o meu amor”, e extravasou: “No apartamento, oitavo andar, abro a vidraça e grito quando o carro passa: teu infinito sou eu!”.

Belchior era capaz de falar da “Hora do Almoço”, de “Galos, Noites e Quintais”, do “Medo de Avião” e até de seu cão, sem cair na pieguice: “Populus, meu cão… O escravo indiferente, que trabalha e, por presente, tem migalhas sobre o chão…”.

De repente, Belchior sumiu!

As lojas parecem só ter coletâneas de sua obra. Nas rádios, só ouvimos suas músicas em “flash backs”. Na TV, sua presença é raríssima.

Será que ele perdeu a inspiração?

Não creio, pois vi Belchior recentemente e ele continua criativo, devotado, afiado e afinado!

O que há, então?

Parece que os “magos da mídia” o consideram ultrapassado… Pré-histórico!

Ora, se isso for verdade, então ele deveria estar na moda, a considerar pela gama inesgotável de “trogloditas pasteurizados” que nos é imposta todos os dias, maltratando nossos ouvidos e neutralizando nossos neurônios.

No entanto, dizem que Belchior faz vinte shows por mês, sempre lotados, cantando canções que fazem pensar! Será que pensar é ruim para os negócios?

Só sei que, num universo que continua repleto de moças e rapazes latino-americanos, sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindos do interior, Belchior não pode estar ausente, nem esquecido, nem mudo:

Precisa cantar muito mais!

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa / Comportamento) | Caso queira receber gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas, Dest’Arte e Claras Visões, basta solicitar pelos e-mails: [email protected] e [email protected] | Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 | (13) 97723538 | Santos – SP

Categorias: , Tags: , , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *