Grandes nomes da arte catarinense: Waldir Brazil

Waldir e Neno Brazil

Waldir e Neno Brazil

Quem não conseguiu assistir no sábado (15/8) o programa Grandes Nomes da Arte Catarinense: Waldir Brazil, tem a oportunidade de ver na internet no link abaixo. A narraçãao é de Antunes Severo.

http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=72432&channel=47

Categorias: Tags: , , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

3 respostas
  1. Neno Brazil says:

    Aproveito para agradecer publicamente a tua participação nesta homenagem.
    Que aliás ficou perfeita para o programa sobre o pai. Tenho certeza que o teu amigo aprovou lá do Bar das Nuvens onde eles devem estar fazendo uma belíssima seresta…
    Obrigadão pela força!
    Abraço,
    Neno

  2. GiSevero says:

    Belíssima homenagem e formosíssima a tua participação.
    Dás um banho, meu véio!

  3. Antunes Severo says:

    José Eli Francisco, presidente do Sindicato dos Radialistas da Regional Norte/Nordeste de Santa Catarina e colunista colaborador do Caros Ouvintes escreve para denunciar um fato que merece um posicionamento da Fundação Cultural de Joinville: “Assisti (…) o documentário sobre o grande artista Waldir Brazil, no sábado pela RBS (…) e, aí , me deu uma inveja danada. Em Joinville, tivemos um ator – Fausto Rocha Jr- que foi radialista, ator de novelas, fez teatro e cinema. Eu até que fiz um programa em sua homenagem há alguns anos. Pedi ao Luiz Henrique, então prefeito, que desse à nossa Casa da Cultura o nome do ator e, pelo menos isso, conseguimos. Mas, o mais lamentável (aconteceu): a viúva do Fausto cedeu todo o material que tinha sobre ele à Fundação Cultural de Joinville e sumiu. Como é que as coisas aí não somem? Quem sabe podemos fazer alguma coisa? Acho que ainda da tempo”.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *