HB 118: De nove negros que ele comprou existiam apenas dois

Continua a carta do Dr. Blumenau a um amigo, da qual foram conhecidas algumas informações. Sua narrativa segue assim: “ a terceira carta era de meu sócio o qual pedia que eu levasse dinheiro, e já porque havia o perigo de perder tudo quanto se fizera. Além disso, desistia, irrevogavelmente, do contrato que fizera comigo e pretendia mudar-se do vale do Itajaí. O engenho de serra que ele construiu e eu paguei, estava mal feito, ameaçando ruir a cada momento. As tábuas não tinham preço e ele não tinha mais dinheiro. De nove negros  que ele comprou com o meu capital, existiam apenas dois; os outros fugiram, ou foram seduzidos pelos patrícios vizinhos”. 
É de imaginar a decepção do colonizador, frontalmente contrário à utilização de escravos na colônia. Continua ele: “Em mil oitocentos e quarenta e oito eu entregara ao meu sócio quatro mil thalers e deixei à disposição dele no Rio, quando parti para a Alemanha, mais mil e quinhentos e, ainda do Rio, lhe mandei outro tanto. Ele escreve agora que não fez muita coisa porque os negros fugiram há muito tempo, de forma que as roças eram poucas e ele, assim, quase nada tinha preparado para receber os colonos. Essas notícias foram-me uma recepção bem triste. Começou, com elas, uma série de lutas e desgraças que eu sucumbiria se tivesse que prová-las novamente. Bem depressa despachei os meus negócios e embarquei num veleiro. Sobreveio, porém, tempo muito desfavorável e o capitão, transferindo a hora da partida, aconselhou-me a voltar à terra”.
A seguir: inexplicavelmente, o veleiro partiu sem o Dr. Blumenau, aumentando a ansiedade provocada pela pressa em chegar à colônia.

Categorias: , Tags: , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *