HB 87: As colônias devem ser completamente independentes

O jovem Hermann foi enfático em sua argumentação ao asseverar que: “não está no interesse da Alemanha que os filhos que a deixem contribuam, com sua atividade e seu capital, para o aumento do poderio e do patrimônio de nações que embaracem, de toda maneira, sua própria evolução”.  Disse que as colônias deviam ser completamente independentes da metrópole, que por elas não devia ser envolvida em questões políticas que não lhe competiam. Continua ele: “a Alemanha não é um estado unitário e não está em condições de defender, pelo poder das armas, em caso de necessidade, o que houver conquistado pacificamente”.
O documento impressionou as maiores mentalidades da sua época. Especialmente ao Geógrafo Johann Eduard Wappäus, a quem J. Sturz confiou o tratado, primeiramente, para uma avaliação.  Wappäus era professor na Universidade de Göttingen e conquistara méritos incontestáveis pelas grandes e valiosas obras que escreveu sobre o Brasil. O mestre não se furtou a colaborar com o tratado, atestando a qualidade do seu conteúdo. Acrescentou-lhe um prefácio datado de onze de maio de mil oitocentos e quarenta e seis e contribuiu com um escrito sobre o Chile, de autoria de um terceiro, intitulado Emigração e Colonização Alemã, que havia passado despercebido a Blumenau.

Mas retornemos ao tratado do jovem Hermann, onde ele afirma: “se as coisas fossem diferentes, isso modificaria, naturalmente, toda a situação”. Mas considerou essa probabilidade por demais reduzida. Por essa razão excluiu do seu trabalho os Estados Unidos e as regiões coloniais das potências européias, assim como os países que pudessem, por qualquer razão, virem a se constituir objeto de conflito armado entre si. Finalizou o documento com violentas investidas contra a maneira pela qual os aliciadores de emigrantes agiam em sua caça a homens e severas críticas aos planos de colonização ventilados e às empresas de imigração então existentes.

A seguir: as análises do jovem Blumenau nesse documento teriam sido a sua credencial maior?

 

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *