História de Blumenau – 30

No último capítulo Reinholdo Gaertner foi para a Alemanha, onde fez imprimir e coordenou a distribuição da obra “Deutsche Kolonie Blumenau”, que animou muita gente a vir para o Brasil. Mas à proporção que a população aumentava, cresciam os dissabores e as penas do Dr. Blumenau. Com recursos financeiros particulares esgotados, conseguira vários adiantamentos junto ao Governo Imperial, por conta do prêmio a que faria jus em função do número de colonos trazidos para o Brasil – mais precisamente para a sua colônia. Esses adiantamentos, porém, não supriam sequer as necessidades mais imediatas. Em 1858 e 1859 a imigração decresceu assustadoramente.
Blumenau andava doente e, apesar de um temperamento otimista e extraordinária capacidade de luta, mostrava-se desesperado. As dívidas se acumulavam. A venda de terras não correspondia ao projeto original. Mais do que as penalidades físicas e espirituais que a realidade lhe impunha, doía-lhe a idéia de ter que abandonar tudo. Não aceitava, nem por sonho, a possibilidade de retornar, fracassado e pobre, à terra natal. Contudo, o que mais pressionava, moralmente, era a idéia de deixar abandonados à própria sorte, em uma terra desconhecida e cheia de perigos, quase duas centenas de famílias que atraiu para estas paragens.

O Dr. Blumenau era privilegiado, entre outros valores, por elevado senso de justiça e extraordinário sentimento de responsabilidade. Aqueles que vieram para cá vieram por conselho seu. Foram induzidos a deixar parentes, a Pátria e uma situação social e cultural bem melhor, para engajar-se numa aventura que poderia acabar em triste e miserável jornada. Um desastre! Não. Não era homem para isso. Jogaria até o último alento. Moveria céus e terra. Esgotaria suas últimas forças para preservar a sorte da sua colônia e a dos seus colonos. Sim! Porque a esta altura já não eram compatriotas irmanados pela mesma luta. Era como uma família, em que todos os imigrantes fossem filhos seus.
No próximo capítulo: a sorte de todos passa a depender do Governo Imperial.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *