Jean Schütz, um jeito diferente de se fazer rádio

Através de um curso de locução oferecido pela Associação Catarinense de Integração dos Cegos (ACIC) e força de vontade, agora Jean Schütz comanda seu programa de rádio.
Por Gisele Machado

Em 2002, a Associação Catarinense de Integração dos Cegos (ACIC)
ofereceu um curso de locução para rádio. Onze pessoas, deficientes visuais,
entre elas Jean Schütz, concluíram o curso. Eis então, que Jean Schütz,
catarinense de 22 anos e aluno da 7ª fase de jornalismo da Unisul, começou a ter
certeza que o rádio poderia ser uma realidade e não mais um sonho

align=left border=0>

src=”http://www.carosouvintes.org.br/antigo/images/stories/foto_jean_01.jpg”
align=baseline border=0>
Jean e Daniel: comunicador e operador de
áudio.

de criança. Com o diploma na mão, Jean
fez um projeto de um programa dominical e encaminhou a três emissoras de rádio
que se encaixavam no perfil: Guarujá, Guararema e Gazeta.

A Gazeta gostou
muito do projeto e da forma diferente de se fazer rádio, ofereceu o espaço para
Jean, na condição de que o próprio conseguisse os patrocinadores.  Domingo
Especial, faz e é sucesso há um ano e cinco meses. Sua programação eclética está
voltada para um público de todas as idades. Esportes, resultado das loterias,
previsão do tempo, confronto musical, resumo da semana e flash back são alguns
dos quadros comandado por Jean todos os domingos das 13h às 14 horas pela Gazeta
AM, 1060 KHertz.

align=right border=0>

src=”http://www.carosouvintes.org.br/antigo/images/stories/foto_jean_02.jpg”
align=baseline border=0>

Confraternizam: Daniel, Jean e
Gisele.

As informações colhidas por Jean
durante a semana, são convertidas para o formato braile e lidas durante a
programação. As pessoas ligam, participam e concorrem a brindes. Jean usa como
auxílio, um aparelho gravador para identificar posteriormente os
ouvintes.

O operador de som, Daniel Magalhães, trabalha com Jean há um
ano e três meses. A sintonia entre eles é marcante e Daniel diz ter aprendido
muito com a sabedoria de Jean. “É notória a diferença entre uma pessoa com
deficiência visual, ele só levanta a mão e, pelo tempo de trabalho, já sei o que
ele quer”, diz Daniel.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *