Jerônimo, o herói do sertão

Jerônimo, O Herói do Sertão, criação de Moysés Weltman, era uma produção da Sydney Ross (SR) e tinha como alvo os homens adultos, que na sua maioria relutavam em acompanhar as novelas.
Por Ricardo MedeirosO personagem bem brasileiro, Jerônimo, interpretado por Mílton Rangel, percorria os sertões com seu companheiro Moleque Saci, na voz de Cahuê Filho, lutando contra os malfeitores que encontrassem pela frente. A mocinha, Aninha, era a catarinense Maria Alice Barreto, no seriado que começou em 1952 e ficou no ar por 14 anos na Rádio Nacional do Rio de Janeiro.

No começo desta emissão, segundo o ex-publicitário da Sydney Ross, Wílson Russel Mac Cord, o programa vinha perdendo audiência para o Capitão Atlas, irradiado pela Rádio Tamoio. Pressionado por Alberto Hernandez Cattá, supervisor de programas e comerciais da SR no Brasil, o setor de publicidade da empresa teve a idéia de criar uma música tema para o Jerônimo, na tentativa de reverter a situação:

« (…) o Senhor Alberto Hernandez Cattá já estava aprontando o bico do sapato para me dar um chute. Fui ao cinema Odeon com o Jaime Vitalino e lá, no filme, o mocinho cantava a “balada do Ouro Negro”. Pensei, vou fazer a “Balada do Jerônimo”. Eles, William e Getúlio, apresentaram-me uma música excelente. Apenas contei a eles a estória do Jerônimo, filho de Maria Homem. Emilinha Borba ouviu a música e quis gravá-la. Dei sorte, passei o Capitão Atlas ».

O tema musical de William Faisal e Getúlio Macedo, na voz de Emilinha Borba, deve ainda ecoar na memória dos contemporâneos de Jerônimo:

« Quem passar pelo Sertão
Vai Ouvir alguém falar
O herói já está cantando
E eu vim aqui cantar

Me arrumei para encontrar
O Jerônimo protetor
Sempre o mal vai enfrentar
O Jerônimo lutador
Filho de Maria Homem nasceu
Serro Bravo foi seu berço natal
(…)

Hoje luta pelo bem contra o mal
Galopando está em todo lugar
Pelo pobre vai lutar sem temer
Com moleque Saci para ajudar
Ele faz qualquer valente tremer »

Faz parte também dessa galeria de sonho e fantasia, o seriado O Anjo, de Álvaro de Aguiar, com o patrocínio igualmente da Sydney Ross, que se concentrava principalmente na venda de laxantes, antiácidos e analgésicos. Em 1948 um galante milionário deixava as suas mordomias de lado para enfrentar a bandidagem e desvendar os crimes que arrepiavam os ouvintes. A série tinha 10 minutos e empolgou o Brasil durante 19 anos. Vale mencionar ainda que o Tarzan também fez a sua história no rádio, mais um êxito Colgate Palmolive.


{moscomment}

Categorias: Tags:

Por Ricardo Medeiros

Doutor em Rádio pelo Departamento de História da Université du Maine (Le Mans, França). Radialista, jornalista, escritor e professor de rádio do curso de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina e assessor de imprensa da Prefeitura de Florianópolis. É um dos fundadores do Instituto Caros Ouvintes.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

1 responder
  1. ARNOBIO SANTOS says:

    CARO AMIGO BOA. GOSTARIA DE SABER SE O AMIGO TEM O FILME DE JERONIMO, O HEROI DO SERTÃO COLORIDO COM 90 MINUTOS DE DURAÇÃO UMA PRODUÇÃO DE ADOLPHO CHADLER LANÇADO EM 1972. CASO O AMIGO TENHA, PAGO QUALQUER PREÇO. AGUARDO.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *