Jogue tudo para a cabeça! Casa das Máquinas para todos no fim de ano!

Caríssimos leitores, neste final de tarde de domingo, como de costume, fui perambular pelo centro de Florianópolis. Eu pensava numa mensagem de fim de ano para vocês que acompanham minha, ainda curta e, talvez, insípida, ainda não sei, carreira de cronista. Mas, o quê?!!! Seria um feliz natal e um próspero ano novo?!!! É isso?
Por Marilange Nonnenmacher

É claro que desejo a todos vocês que as festas de fim de ano sejam um prodígio de um primoroso 2008! Porém, não posso deixar de dizer que o “aqui e agora” da nossa existência é o essencial, é o pequeno ponto da tapeçaria de nossas vidas, tanto para o presente como para o futuro! A sensação que me toma no momento dessa escritura é que devemos nos derreter em vida a cada momento, porque esse momento é ínfimo e único. Quando o sol renasce, vivemos da essência das lembranças do ontem.
Nessa minha excursão pelo centro da cidade, além do movimento maior que o normal, em função do belo dia de sol, das festas que se aproximam, da cidade toda decorada reluzindo em pisca-piscas, também me deparei com uma feira de flores no Miramar. Ops! Ops! Quero dizer, ali na Praça Fernando Machado, onde se situa o Memorial ao Miramar. Caros amigos, penso que, pelo jeito, encontraram uma boa serventia para aquelas colunas desérticas que se pretendem representar o antigo e belo Trapiche Miramar, demolido em 1974, em razão da construção do Aterro da baía Sul: ele, digo as colunas, estão alojando o VI Festival de Flores de Florianópolis. Ou seja, um lindo e colorido canteiro de flores se acomoda sobre o petit-pavê que desenha as sombras do antigo Trapiche Miramar. Pensei em escrever mais sobre isso para vocês, mas naquele momento eu ouvia uma música chamada “Para a cabeça”, de uma banda de rock da década de setenta, chamada Casa das Máquinas (justo dos anos 70!). A música é de composição de Pisca, Netinho e Catalau. Dessa maneira, encontrei minha mensagem de final de ano para todos:       
Entre, pode vir andando
Não fique matando, eu estou chamando
Um novo rock estamos tocando
Não se aborreça, abra o olho e cresça
Antes que anoiteça, rock em sua cabeça

Dance, faça o seu corpo vibrar
Jogue tudo pro ar e comece a dançar
Dance, dance até seu corpo excitar
Diga se isso tudo acabar
Dance e jogue tudo pro ar!!!

Jogue tudo para a cabeça!!!
Jogue tudo para a cabeça!!!
Jogue tudo para a cabeçaaaaaaaa!!!
Hey, hey!!!

Então, abra o olho e cresça antes que anoiteça. Eu acredito que tocamos um novo rock a todo o momento em nossas vidas, ou seja, devemos viver intensamente todos os pequenos e mais descoloridos instantes da vida e deixar o corpo vibrar. “Jogue tudo para a cabeça” para todos vocês!!!  
:: Para ouvir a música clique aqui
 


{moscomment}

Categorias: Tags:

Por Marilange Nonnenmacher

Doutora em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e foi professora colaboradora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Dedicou-se mais recentemente à pesquisa e estudo de hábitos e costumes da cidade de Florianópolis e da Ilha de Santa Catarina onde reside.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *