Jornalista Sônia Bridi lança livro em Florianópolis

No “Diário do Clima”, ela narra aventuras vividas em 14 países. O roteiro foi escolhido para mostrar os efeitos das mudanças climáticas.

Jornalista Sônia Bridi fala sobre seu novo livro (Foto: Luisa Konescki/G1)

A jornalista e escritora Sônia Bridi está em Santa Catarina para o lançamento de seu segundo livro, ‘Diário do clima – Efeitos do aquecimento global: um relato em cinco continentes’. Nesta nova obra, Sônia fala sobre os bastidores de uma série que produziu para o Fantástico de maio a outubro de 2010, junto com seu marido – o repórter cinematográfico Paulo Zero. O livro é um diário de viagem, em que a escritora mistura as aventuras vividas pelos dois com informações sobre as mudanças climáticas.

A história narrada na obra reúne detalhes e fatos curiosos sobre a viagem que incluiu 14 países com o objetivo de mostrar, na televisão, os efeitos das mudanças do clima no mundo. A ideia da série partiu da própria jornalista. “Na minha opinião, há  duas coisas que vão mudar este século. Uma é a ascensão da China. Outra são as mudanças climáticas. Foi por isso que eu resolvi conhecer melhor este tema. Porque quando fazemos reportagens, nós nos propomos a aprender sobre um assunto. Foi pelo mesmo motivo que quis ser correspondente em Pequim”, afirma a autora.

Segundo Sônia, as mudanças climáticas devem determinar a forma como o mundo viverá nas próximas décadas. Ela percebeu isso com as paisagens que viu, os povos que conheceu e os diversos cientistas que entrevistou. Antes de iniciar a produção da série, ela já havia feito a cobertura do  IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima) e conhecia bem o tema. Mas foi preciso mais do que isso para realizar o trabalho. Sônia teve de se preparar fisicamente.

Um desses momentos foi quando ela e o marido escalaram o Kilimanjaro, com o objetivo de mostrar como está a neve no maior monte do continente africano. Ao invés de subir, gravar  imagens e descer, os dois precisavam ficar uma hora e meia a 6.000 metros de altitude para produzir uma reportagem. “Nós precisamos ser treinados por um professor. Mesmo nas férias, antes de ir para a África, estávamos em Nova Iorque, num apartamento no 11º andar e subíamos apenas de escada. Até hoje estamos mantendo o pique. O Paulo agora está malhando em uma academia na Lagoa [da Conceição]. Hoje temos mais ritmo do que muito repórter novinho por aí”, ri.

A jornalista está em Florianópolis para o lançamento do “Diário do Clima” nesta quarta-feira, às 19h30, nas Livrarias Catarinense, no Beiramar Shopping, e também estará em Balneário Camboriú na quinta-feira. Para Sônia, que nasceu em Caçador, a Ilha de Santa Catarina é sua referência de casa. “Tenho muitos amigos e família aqui”, diz.

Ex-repórter e editora da RBSTV, a jornalista saiu de Florianópolis em 1991, quando foi trabalhar na TV Globo, no Rio de Janeiro, aos 26 anos de idade. Em 1994, foi convidada para cobrir a Copa do Mundo e em 1995 para ser correspondente em Londres. A partir daí, passou também por Nova Iorque, São Paulo, Paris e Pequim. Agora, ela vive no Rio de Janeiro. [Do G1 SC]

tópicos:

•          Caçador,

•          Florianópolis,

•          Santa Catarina

Categorias: Tags: , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *