Kirliangrafia

Padre Roberto Landell de Moura é considerado o pioneiro das telecomunicações no país e um dos descobridores da foto bioelétrica.

Confira abaixo o resumo da Dissertação de  Karoline Bufolin, Patrícia Kowaleski, Sabrina Porto e Thaís de Medeiros para a disciplina de História e Bases Epistemológicas da Psicologia, sobre orientação de  Carlos Veit

Nasceu em 21 de janeiro de 1861, em Porto Alegre/RS; Foi batizado na Igreja Nossa Senhora do Rosário do qual veio a ser pároco em 1915 a 1928; Seus pais: José Ferreira de Moura e Sara Marianna Landell de Moura eram descendentes de famílias muito tradicionais da época; Influenciado por seu irmão Guilherme Landell de Moura, vai para Roma, para se tornar sacerdote tendo sido ordenado padre em 1886, e se tornou Monsenhor (alto cargo da Igreja Católica); Em 1892, em SP executou a transmissão da voz sem fio, através da luz (selênio) – foi sua primeira invenção (Teléphoro); em 1901, parte para os EUA no intuito de patentear os seus aparelhos conquistando três patentes no The United States Patent Office, em Nova York: “Transmissor de Ondas” – precursor do rádio, a 11 de outubro de 1904, patente de nº. 771.917; “Telefone sem fio” e “Telégrafo sem fio”, a 22 de novembro de 1904, patentes de nºs. 775.337 e 775.846; Em 1904, ele ganha a Patente n. 775.337-22 pelo “Wirelles Telephone” (telefone sem fio); Em 1906, retorna ao Brasil e solicita ajuda à Câmara dos Deputados de SP para prosseguir com suas pesquisas; Como seu pedido é negado, ele resolve se dedicar a pesquisas na área da Medicina (foto bioelétrica, tratamento para cárie, homeopatia).

Padre Roberto Landell de Moura e a Kirliangrafia: Em 1907 ele descobriu que todos os corpos possuíam efeitos eletroluminescentes (estenecidade). Fato curioso: Em 1919, o Padre Roberto Landell de Moura escreve dois livros de Psicologia: Apontamentos de Psycologia e, sob o pseudônimo de Bernardes Valumbrósius, Psycologia Ascética; Morreu de tuberculose, em 1928, aos 67 anos de idade e seus restos mortais foram enterrados no Cemitério dos Padres, no Bairro Glória; Em 2002 seus restos mortais foram trasladados para a Igreja Nossa Senhora do Rosário; Casal Kirlian: Semyon Davidovich Kirlian foi um cientista, pesquisador e inventor russo, que, em conjunto com sua esposa, Valentina Khrisanovna Kirlian são considerados os descobridores dos efeitos que envolvem campos energéticos de contorno em seres vivos (aura), bem como terem criado um método para o seu registro fotográfico em 1939, chamado bioeletrografia ou kirliangrafia; O que poucas fontes divulgam é que o Sr. Kirlian não foi o único a desenvolver esta técnica.

Antes dele, dois outros pesquisadores conseguiram comprovar a realidade do fluxo vital do organismo: Fernando Sanford (1891) e o Padre Roberto Landell de Moura (1907). Kirliangrafia é uma técnica reconhecida pela ciência, como eletrografia e é desenvolvida com pioneirismo no Rio Grande do Sul onde se desenvolvem pesquisas e estudos dentro das áreas da psicologia, na aplicação de técnicas de relaxamento, bioenergética, cromoterapia, parapsicologia e psicobiofísica; Existem várias clínicas, institutos e hospitais que utilizam a foto da “aura” para acompanharem o estado de saúde de seus pacientes; Existe, inclusive, o DIAGNÓSTICO ONCOLÓGICO KIRLIANGRÁFICO, embasado no trabalho dos Drs. Júlio Grott e Helio Grott Filho, do Hospital das Forças Armadas de Curitiba – Paraná.

Este trabalho foi publicado na edição Técnico – Científica, n4, de Out./Dez. 1987. Pelo Hospital das Forças Armadas de Brasília, sendo este o primeiro Órgão Oficial a publicar a referida matéria na América do Sul; O método consiste em fotografar um objeto com uma chapa fotográfica, submetida a campos elétricos de alta-voltagem e alta-frequência, porém baixa intensidade de corrente.

O resultado é o aparecimento de uma aura, ou melhor, um “halo luminoso” em torno dos objetos (orgânico ou inorgânico); Ela capta frequências elétricas medidas em hertz. A velocidade do fluxo depende, entre outras coisas, da fé, da crença e das experiências de pessoa.

Na fotografia Kirlian, o aspecto emocional corresponde à coloração azul; Nota-se que em casos de depressão ou conflitos emocionais existe uma falha ou ausência do halo azul; E quando a falha começa atingir as regiões com cores lilás e brancas significa que o grau de depressão é profundo; Outro tipo de energia captado pela fotografia kirlian são os casos de energias intrusas ou obsessoras (este tipo de energia é registrado através de uma mancha vermelha que pode se estender até o marrom escuro); Ela aparece geralmente na corona e nas regiões dos chacras (portas energéticas); Possuímos sete Chacras: Chacra Raiz (vermelho – Centro de energia do nível físico), Chacra do Sacro (laranja – Centro da Criatividade), Chacra do Plexo Solar (amarelo – Fonte da Energia), Chacra Cardíaco (verde- Centro das Emoções), Chacra da Garganta (azul celeste – Centro da Expressão Verbal e da Comunicação), Chacra do Terceiro Olho (azul índigo – Centro Psíquico) e Chacra da Coroa (violeta – Energia Vital).

Na área psicológica, pode-se identificar: depressão, ansiedade, tristeza, angústia, tensões, sentimentos suicidas, sentimentos de culpa, esquizofrenia, irritabilidade, baixa estima, entre outros. Apesar de tais fatos, tanto o Conselho Regional de Psicologia quanto o Conselho Federal não reconhecem o procedimento como uma técnica auxiliar de diagnóstico psicológico.

Bibliografia: RODRIGUES, Ivan Dornelles, Brasileiro, Gaúcho, Um gênio Diferente, Padre Landell de Moura, Porto Alegre: CORAG, 2004; IRAJÁ, Hernani de, Feitiços e Crendices, Rio de Janeiro: FREITAS BASTOS E CIA, 1932; MILHOMENS, Newton, Fotos Kirlian Como Interpretar, IBRASA, 1988; sites: https://mestresascensos777.wordpress.com/2011/07/07/o-que-e-kirliangrafia-ou-bioeletrografia/; http://www.rosadeluz.com/oquesooschacras.htm; http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=03740; http://www.bioeletrografia.com.br/index.php?q=Newton-Milhomens.html; https://mestresascensos777.wordpress.com/2011/07/07/o-que-e-kirliangrafia-ou-bioeletrografia/; http://www.rosadeluz.com/oquesooschacras.htm; http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=03740.

Confira na íntegra o trabalho das acadêmicas!

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *