Koerich comunicação: coerência e ação determinada

Além do sucesso de algumas ações publicitárias, como normalmente acontece, as Organizações Koerich têm uma história de coerência, determinação e valor comunitário.

Museu Koerich

O quadro assim pintado, embora breve e simples, me ocorre quando inicio esta série de matérias revivendo a trajetória das Organizações Koerich em suas muitas ações no campo da comunicação social e mercadológica em forma de propaganda, promoção, publicidade, premiação e ação comunitária.

Começo pelo marco divisório que oficializou o pleno exercício de uma proposta de trabalho que no dia 18  junho deste ano de 2015, completou 84 anos.  Nessa data é assinada no cartório de São José da Terra Firme a declaração da firma individual de Eugênio Raulino Koerich, com capital inicial de 1 conto de réis (1:000$000).

Menos de um mês depois, em 16 de julho de 1931, é aprovado o registro público da firma pela Junta Comercial do Estado de Santa Catarina.

Animado com a condição de empresário, seu Raulino expande os negócios com a venda de produtos coloniais – carnes principalmente – para os vizinhos onde mora e municípios próximos à Capital. Até que, com a inauguração da ponte Hercílio Luz, em 1926, chega à Ilha de Santa Catarina, instalando-se no Mercado Público Municipal. Dirigindo sua carroça pessoalmente, observa o comportamento dos demais fornecedores e nota que “O varejo local limitava-se a produtos agrícolas e pescados, vendidos principalmente no interior do mercado”. O abastecimento de carnes deixava a desejar. Passa a beneficiar as carne bovina, suína e de frango transformando-se no primeiro comerciante da região a fornecer frangos abatidos e limpos, inclusive para consumidores individuais entregando-os na residência dos clientes. “Seu Raulino acordava de madrugada todas as terças-feiras e ia com os filhos visitando a clientela, de casa em casa, de estabelecimento em estabelecimento, passando por São José, cruzando a ponte e seguindo pelos bairros do Saco dos Limões, Carvoeira e Trindade, até chegar à Praça VX de Novembro, no centro da cidade. Alí forneciam bifes para o tradicional Restaurante Estrela, onde dormiam numa pensão existente no andar superior”.

Assim se passaram 24 anos de aperfeiçoamento, dedicação e pontualidade. Os filhos – que no início faziam companhia ao pai na carroça, agora estudam e trabalham na empresa tanto nas vendas como na parte administrativa.

O pequeno negócio ganha espaços, conquista mercados, substitui as carroças por veículos motorizados, carinhosamente batizados com nomes de mulheres famosas – Marta Rocha, Lili Marlene e até a Maricota do folclore ilhéu virou nome de caminhoneta.

Aliás, a Lili “depois de minuciosa restauração foi incorporada ao acervo do Museu da Família Koerich, inaugurado em julho de 1990, em Colônia Santana. Nos jardins do velho casarão – o antigo armazém de secos e molhados de Eugênio Raulino Koerich, embrião das Organizações Koerich – Lili ocupa lugar de destaque, iluminada por refletores como uma estrela, em sua reluzente carroceria de madeira pintada de verde”, despertando nas novas gerações da família, o reconhecimento da importância de preservar a história do Grupo”.

A tal ponto isso é importante que no novo Centro de Distribuição – que está sendo construído em Biguaçu, na Grande Florianópolis, será inaugurado o Memorial Koerich, espaço que contará a trajetória de sucesso do empresário Antonio Koerich, seus filhos e netos, por meio de fotos, registros históricos, de mídia e arquivos da família.

Neste contato inicial da série “Koerich Comunicação” apresento a título de ilustração do DVD Uma história de sucesso, o documentário publicado em 2005, como parte dos festejos dos primeiros 50 anos de KOERICH – Gente Nossa, uma das Organizações Koerich.

Ver mais:

Museu Koerich completa 25 anos | Carlos Damião | PONTO FINAL | Página 29 | 19 e 20 de dezembro de 2015 | www.ndonline.com.br

Trajetória das Organizações Koerich durante período conturbado da economia brasileira de 1955 a 2002: como se sustentar em uma economia de mercado instável? Eduardo Keil Koerich | Monografia submetida ao Curso de Ciências Econômica da Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito obrigatório para a obtenção do grau de Bacharelado. Orientador: Prof. Dr. Marcelo Arend | Florianópolis, 2014 | https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/124289

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *