Lima Martensen começa na carreira de Publicitário pela produção de conteúdo

Alguns daqueles poucos que se deram o trabalho de ler os capítulos anteriores desta série, devem estar se perguntando: por que será que o Chico Socorro está contando essa história tão distante do mundo publicitário deste Século XXI.
Por Francisco Socorro

Hoje, vamos mostrar que as coisas vão e voltam, de forma diferente, mas voltam. Os mais bem informados devem ter lido na revista especial da agência de publicidade África, o Nizan Guanaes se referir ao fato de que as agências de publicidade devem ampliar o seu leque de trabalho e criar também conteúdo para as várias mídias. Então, os mais novos na profissão provavelmente não sabem que até a década de 50 do Século XX, muitos programas de TV eram criados nas próprias agências de publicidade. Exemplo: o mais emblemático programa noticioso do rádio brasileiro que depois migrou para a Televisão, o repórter Esso, nasceu e era produzido na McCann-Erickson.  Mas antes disso, o verdadeiro pioneiro na produção de conteúdo para o rádio, o nosso saudoso Rodolfo Lima Martensen,  começou a produzir um programa  patrocinado pela então, anos 30, Indústrias Irmãos Lever, empresa  que deu origem à atual Unilever, um dos maiores anunciantes do País.

Mas vamos deixar a palavra com o  próprio Lima Martensen:

O sucesso do programa Cocktail PRA-5 atraiu a atenção do Gerente de Propaganda das Indústrias Irmãos Lever, Domingos Giorgetti, que estava à procura de alguém capaz de produzir um programa de rádio que ele havia idealizado. Giorgetti queria uma audição leve, humorístico-musical, com a participação dos ouvintes e com força para lançar um novo sabonete popular destinado  à baixa classe média.

Domingos Giorgetti recebeu-me cordialmente, elogiou o meu trabalho na Rádio São Paulo e perguntou se eu era funcionário da emissora. Disse-lhe que não, que trabalhava à base de cachê, sem nenhum vínculo empregatício.

– Ótimo. Disse-me ele, pois gostaria que você produzisse um programa a ser irradiado pela Rádio Difusora de São Paulo. Algum problema?

– Nenhum problema, sr Giorgetti, só que não desejo me incompatibilizar com a Rádio São Paulo.Tenho amigos lá e sou muito grato á emissora pela oportunidade que me deu… Giorgetti deu-me, então, um dos mais completos briefings que recebi até hoje. Descreveu-me o que era a Irmãos Lever, os produtos que manufaturava, a liderança do Eucalol no mercado de sabonetes, a luta por um segundo lugar entre Gessy e Sabonete Lever, e a brecha que se apresentava para um produto mais popular, com uma imagem alegre e despretensiosa, destinada ao grande público para o qual Eucalol, Gessy e Lever eram anda muito caros. A Lever tinha idealizado e produzido esse produto dando-lhe o nome de Sabonete Carnaval.

Para evitar um problema ético, Rodolfo Lima Martensen cria a Cia. Royal de Rádio produções, empresa independente  que se dedicaria à criação e produção de programas de rádio.  Com isso a Lever poderia veicular o programa onde lhe fosse mais conveniente. Assim começou o programa A Hora esquisita na Rádio Difusora de São Paulo.  Assunto da próxima história.


{moscomment}

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *