Manoel de Menezes: a irreverência de um poeta, jornalista e político

Menezes recepciona o gov. Jorge Lacerda na sede do jornal e da Rádio A Verdade na rua Conselheiro Mafra

A trajetória do jornalista e empresário de comunicação Manoel de Menezes agora está registrada em documentário de rádio. A responsável pela iniciativa é a neta dele, Maria Cláudia de Menezes, que aborda três facetas do catarinense de Lauro Müller em “Manoel de Menezes: a irreverência de um poeta, jornalista e político”. O documentário é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo de Maria Cláudia e será defendido na segunda-feira (28/06), a partir das 19h30, na Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina. A banca será formada pelo orientador da aluna, Ricardo Medeiros, pelo Coordenador do Curso de Jornalismo da Faculdade Estácio, Paulo Scarduelli e pelo jornalista Marco Aurélio Gomes, membro da diretoria da Associação Catarinense de Imprensa e Diretor da Rede de Notícias Acaert – RNA.

Menezes recepciona o amigo Orlando Silva, o Cantor das Multidões em Florianópolis

Na adolescência Menezes sofre uma desilusão amorosa e resolve passar a dor de seu coração para o papel. Assim sendo, circula pelo país e exterior declamando poemas.   Em 1950 os seus versos se transformam no livro Retalhos D’ alma, nome que mais tarde vira programa de rádio.  O programa ia ao ar pela Radio Guarujá e chegou a receber 80% das cartas românticas enviadas pelos ouvintes. Em 1952 o jornalista torna-se proprietário do semanário Jornal A Verdade, periódico no qual Menezes tinha a famosa coluna “o que dizem e eu não afirmo”, que denunciava questões de roubos e corrupção na política catarinense.

Menezes em coletiva do gov. Ivo Silveira em Palácio. Ao fundo os radialistas Nazareno Coelho e Silveira Lopes e o vice gov. Atílio Fontana

Manoel de Menezes que já havia auxiliado na implantação da Rádio Guarujá, em 1943, a primeira radio da cidade, posteriormente coloca no ar sua emissora em 1958, intitulada como Radio Jornal A Verdade.  Um dos principais programas da rádio era “Mesa Quadrada”, uma atração de boa audiência que debatia questões de esporte, política, arte e cultura.

Na prática, a Rádio não se define politicamente. Mesmo assim, o jornalista é eleito Deputado Estadual pelo Partido Social Progressista (PSP) no pleito de 1958, porém, personalista como é, defende ao microfone da emissora às suas idéias e não as do partido. No que tange aos apoios indiretos da União Democrática Nacional, UDN, e do Partido Social Democrático (PSD) para a formação da sociedade que constituiu a estação de rádio, isto não chega a influenciar a linha de programação da Jornal a Verdade em favor exclusivo de qualquer partido. Dependendo dos interesses do jornalista, a sua emissora muda de cores partidárias. Ora a emissora tende para o Partido Social Democrático, PSD, ora está do outro lado, apoiando a UDN, os dois grandes  partidos que fazem rodízio no comando da administração estadual.

Manoel concorre duas vezes ao cargo de prefeito da cidade de Florianópolis, nos anos de 1954 e 1959. Na primeira vez, após a derrota nas eleições, Manoel de Menezes escreve a seguinte manchete na capa de seu jornal: ”Dormi prefeito e acordei palhaço”. Na segunda vez, quase se elege, sendo o mais votado em algumas seções eleitorais.  Como deputado estadual pelo PSP é cassado com a justificativa de falta de decoro.

Duelo defronte à catedral

As rádios Jornal A Verdade e Anita Garibaldi transforma-se em certa ocasião em palco de discussões entre Manoel de Menezes e o delegado Trogílio Mello, o que acaba num duelo entre o jornalista e o filho do delegado. Tudo começa quando Manoel de Menezes resolve entrevistar Trogílio Mello a respeito da ordem dada pelo governador Heriberto Hulse sobre a necessidade de coibir a jogatina na cidade. O jornalista telefona para a delegacia para saber de Trogílio Mello se realmente ele vai colocar na cadeia todos os contraventores. Com transmissão ao vivo pela Rádio Jornal a Verdade, o delegado responde afirmativamente. De sua parte, Manoel de Menezes emenda perguntando se Trogílio Mello irá também prender o próprio filho que – conforme  o jornalista – patrocina  o jogo do bicho em Florianópolis. Furioso o delegado arranca o fio do telefone, terminando ali mesmo a entrevista.

No período da noite, Trogílio Mello utiliza os microfones da Anita Garibaldi para acusar Manoel de Menezes de ganhar propina dos chefes do jogo de bicho. Quando sabe disso, o jornalista liga para a sua emissora e pelo telefone entra no ar refutando as acusações e lança alguns impropérios contra o delegado e seu filho Acácio Mello.

No dia seguinte, Acácio Mello telefona para a casa de Manoel de Menezes para marcar um duelo entre os dois, às oito horas da manhã, defronte à Catedral Metropolitana, coração da cidade. Quem leva a melhor no confronto é o dono da Rádio Jornal a Verdade, que consegue alvejar uma das pernas de Acácio de Mello. Por sua vez, Manoel de Menezes é jurado de morte pelo delegado Trogílio Mello e foge da cidade.

Contatos para imprensa:
Maria Cláudia de Menezes: 8454-9221

Categorias: , Tags:

Por Ricardo Medeiros

Doutor em Rádio pelo Departamento de História da Université du Maine (Le Mans, França). Radialista, jornalista, escritor e professor de rádio do curso de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina e assessor de imprensa da Prefeitura de Florianópolis. É um dos fundadores do Instituto Caros Ouvintes.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

4 respostas
  1. Merly Costa says:

    Achei otima esta historia. Gostaria de usa-la no meu filme. Posso? Gostaria de saber mais historias como esta.

  2. jose adalnerto de souza says:

    boa noite eu fui abandonado e colocado em uma caixa de sapato dentro de uma lata de lixo na porta da radio jornal a verdade na rua moura em barreiros, o jornalista da época era o Manoel de Menezes o que anunciou o acontecido e fui adotado por uma mulher que fazia o programa a hora da verdade nessa radio e depois de passar o inferno na mao desta família acabei fugindo e indo morar na rua, na praça 15 de novembro morando em baixo da figueira, hj sou um homem bem sucedido e empresario e dou palestras de motivaçao, vocacional hoje estou escrevendo um livro.
    gosta ria de saber se consigo alguma reportagem ou fotos da época.
    atenciosamente Jose Adalberto de souza

  3. Isis says:

    VIM DO RJ MOREI EM JAGUARUNA DEPOIS FUI DIRETO PRA LAURO MULLER ALUGUEI UMA CASA EM LAURO MULLER ESTAVA EU DORMINFO E ACABEI ME ATTAZANDO PRA ALGO MAS ALGUMA VOZ ME ACORDA ME CHAMANDO DE MANOEL DE MENEZ COM UMA VOZ FORTE EU FIQUEI ASSUSTADA ATE HJ FICO PESQUIZANDO SOBRE ESSE HOMEM

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *