Manoel de Menezes lidera concurso de A Gazeta do Povo de Curitiba

“O inspirado poeta que se transformou num jornalista combativo, no período em que esteve em Curitiba, lançou livro de poesias, apresentou programas e rádio e fez amigos”. A revelação é de Jamur Júnior em livro publicado em 2004.
Por Antunes Severo

Poderia simplesmente transcrever o artigo do companheiro Jamur que relata esta passagem com detalhes e precisão em seu livro Sintonia Fina – Histórias do rádio. Mas quero aproveitar a oportunidade para realçar um fato bastante comum em nosso meio profissional. Refiro-me particularmente à parcimônia com que a mídia local trata dos assuntos relativos aos personagens que fizeram e estão fazendo a história dos meios de comunicação de nosso estado. E à medida que o tempo passa parece que as coisas pioram, pois já tivemos até uma Revista do Rádio em 1957 e um jornal semanal – A Ponte – que se dedicava prioritariamente à cobertura do que acontecia no mundo da comunicação.
Voltemos, porém, ao texto que Jamur intitula Manezinho trovador. Começa relembrando os tempos de 1950 quando o rádio vivia uma fase de grande romantismo, em que a maioria das emissoras mantinha programas com locutores declamando poesias apaixonadas, tendo como fundo musical, tangos e boleros. Alguns desses programas tiveram duas fases: uma paranaense e outra catarinense. É o caso de Rosa de Tango, de Souza Miranda e Retalhos D’Alma de Manoel de Menezes. Em versão exclusivamente curitibana, na mesma época, destacava-se Acordes do Coração de Getúlio Cury.
A força dessa programação era de tal ordem que A Gazeta do Povo – que já era o maior jornal do Paraná – lançou concurso entre ouvintes de rádio para saber qual o programa romântico preferido pelo público. Deu na cabeça Retalhos D’Alma que Manoel de Menezes apresentava na Rádio Clube Paranaense.
Jamur acrescenta: “Durante cerca de um ano (Menezes) manteve seu programa na PRB-2, transmitido por ondas médias e curtas. O longo alcance da mais poderosa emissora paranaense, tornou Manoel de Menezes conhecido em vários pontos do país. Chegavam cartas de vários estados e países, muitas delas pedindo os livros de poesia de sua autoria”.
Aliás, Manoel de Menezes que também se apresentou com o mesmo programa nas rádios Guarujá e Anita Garibaldi de Florianópolis, chegou a excursionar pela Argentina onde se apresentou em rádios e teatros como um dos bons poetas do sul do Brasil.
Fontes:
Jamur Júnior. Sintonia Fina – histórias do rádio. Curitiba: Edição do Autor, 2004.
Antunes Severo e Ricardo Medeiros. Site Caros Ouvintes.

Categorias: , Tags: , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *