Melhorar saúde materna e infantil é prioridade até 2015

OMS afirma que entre as oito Metas do Milênio, esses são os objetivos que estão mais longe de serem alcançados; mais de sete milhões de crianças morrem antes de completarem cinco anos.

MÍDIA | Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York

Sete milhões morrem antes dos cinco anos de idade

A cada ano, mais de sete milhões de crianças morrem antes de completarem cinco anos de idade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, OMS. A agência aponta ainda o combate à mortalidade materna como outro desafio para o alcance pleno das Metas de Desenvolvimento do Milênio. De acordo com a OMS, os objetivos que tem a ver com a melhora da vida de mulheres e crianças são os que estão mais longe de serem alcançados até 2015. A deputada portuguesa Mónica Ferro participa do Fórum Europeu sobre População e Desenvolvimento. De Istambul, ela falou à Rádio ONU sobre as mortes por complicações na gravidez ou na hora do parto.  Continuamos tendo uma mortalidade materna acima dos 300 mil. De dois em dois minutos morre uma mulher por causas ligadas à gravidez, ao parto ou nas semanas seguintes ao parto. Embora nós estejamos muito contentes com o quarto de milhão de mulheres que foram salvas e as suas famílias, continuamos muito preocupados com as 300 mil mulheres que não conseguimos salvar”. Durante a Assembleia Mundial da Saúde, que ocorre em Genebra, a OMS afirmou que mudar o quadro é prioridade da agência e deve ser também dos chefes de Estado que firmaram, no ano 2000, as Metas de Desenvolvimento do Milênio.

Categorias: , Tags: , , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *