Memórias do professo Kin

Ainda como parte do cinquentenário da ESAG a Editora UDESC acaba de lançar o livro autobiográfico Memórias do professor Kin.

Kinchescki (E) recebe um brinde em nome da turma e abre a garrafa do Escocês que partilhou com os presentes, ao lado deste escriba e do colega Antônio Augusto Jorge.

Kinchescki (E) recebe um brinde em nome da turma e abre a garrafa do Escocês que partilhou com os presentes, ao lado deste escriba e do colega Antônio Augusto Jorge.

No prefácio, o diretor da ESAG/UDESC, fala com carinho sobre o colega: “O caríssimo professor José Carlos Kinchescki, para sempre professor Kin, foi aluno, professor e tem vivido um amor profundo com a Escola Superior de Administração e Gerência da Universidade do Estado de Santa Catarina – ESAG/UDESC, tendo deixado o curso de odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina para viver esta relação que, certamente, sempre tem feito com a compreensão da família a qual agradeço em nome da ESAG/UDESC”.

Pois o professor Kin foi meu contemporâneo de turma que ficou conhecida como Administração 71 e era formada por empresários, publicitários, cartorários, jogadores de futebol, políticos, bancários e servidores públicos de várias áreas: Álvaro Henrique de Campos Lobo, Antônio Gustavo Jorge, Antônio Rocha da Silva, Benedicto Massell, Carlos Antônio Dal Bó, Carlos Emílio Zandavalli, Carlos Roberto Amorim, Dautro Fulvo Torno, Edgard Teixeira Pinto, Eno Steiner, Eurides Antunes Severo, Gilberto Rolim, Hélio Edgard Bridi, Hélio Vetter, Hélio Waldony Coelho, Irã Silva, Izaias Silva, Jamil Anderson Monteiro, João Batista Soares dos Santos, João Benjamim da Cruz Júnior, João José Machado, João de Oliveira Camargo, José Carlos Kinchescki, José Ricardo Boabaid dos Reis, Luiz Décio Leal de Meireles, Luiz João Bernardo, Laércio João Ternes, Márcio Edgard Ritzmann Madeira Neves, Munir Elias Ferreira, Murilo Rosa, Olímpio Vargas, Remy José Fontana, Rubens Luiz Kroeff, Rubens Krepsky, Valter Claudino da Silva e Wanderley Reis. Aforamente a rapaziada, faziam parte da turma duas alunas que terminaram o curso posteriormente.

Do ponto de vista da faixa etária a média de idade da turma estava pelos 35 anos, quase todos casados, a totalidade já definida na vida em termos de atividade econômica. Mesmo assim, foi uma das turmas mais criativas dos primeiros anos da ESAG. Como relata o autor do livro “Nossa turma começou a se programar para a formatura já no segundo ano do curso”. No período, além das festas: jantares, almoços, comes e bebes, como dizíamos, foram realizadas as provas do quarto bimestre e os exames finais para aqueles que não conseguiram a média sete nas disciplinas. No ano de 1968, nossa turma elegeu Eurides Antunes Severo, presidente, José Carlos Kinchescki, secretário e João de Oliveira Camargo, tesoureiro como diretores da Comissão de Formatura”.

E completa o professor Kin: “Decidi inovar e consegui que as provas finais fossem intercaladas por festas (jantares e coquetéis). De quatro de novembro a sete de dezembro tivemos uma série de festas. Os homenageados participaram do calendário. A formatura foi no dia 04/12/1971, mas no dia sete de dezembro, no Iate Clube Veleiros da Ilha, os formandos ofereceram um jantar para a direção da Escola e homenageados. O formando João Benjamim da Cruz Júnior (Dr. Laguna), em nome da turma A-71, entregou-me uma garrafa de Whisky JB que sugeri abríssemos para que todos partilhar de minha alegria”.

As inovações não pararam por aí. Por exemplo:

Pela primeira vez, em Florianópolis, a missa de formatura foi concelebrada pelos padres José Edgard de Oliveira e Eugênio Kinceski, na Igreja de Santa Catarina de Alexandria, no Colégio Catarinense.

À noite, na Assembleia Legislativa os formandos compareceram de smoking, traje usa pela primeira vez em formatura, em Florianópolis. Também foi pela primeira vez que o plenário do legislativo catarinense foi palco de uma formatura de universitários.

Os requintes também se estenderam à formatura propriamente dita. Durante a colação de grau apresentou um audiovisual especialmente produzido pela agência A.S. Propague mostrando aspectos da vida cotidiana de cada um dos formandos. E para completar, o baile de formatura foi realizado à noite no Clube do Penhasco, no bairro José Mendes.

Mas o livro do professor Kinchescki é muito mais do que suas memórias sobre nosso memorias-do-kintempo de estudantes de um dos primeiros e mais importantes cursos de Administração do País. Ele é um contumaz notário de assuntos públicos e privados como recorda no Prefácio do livro, o professor Arnaldo José de Lima: “Nas memórias do professor Kin, o leitor encontrará nossa Florianópolis, cordial e acolhedora, na profunda relação do autor com a comunidade da ESAG/UDESC, as pessoas simples do Morro da Caixa e da igreja católica; tendo como cenário, os fatos e momentos marcantes da história nacional. O livro revela situações bem-humoradas a comunidade Esaguiana, decorrentes do clima de camaradagem e da construção de um ambiente propício ao estudo, que já geraram incompreensão na UDESC, hoje superada na medida em que a comunidade universitária se consolida”.

Tal é a fidelidade dos fatos narrados pelo autor quando diz: “… gostaria de partilhar com vocês, estimados leitores, um pouco da minha vida, pois sempre fui religioso e observador das coisas que aconteciam a minha volta, tanto na igreja, no trabalho e na convivência com os colegas, amigos e parentes”. E conclui: AS páginas seguintes são (a expressão) das minhas memórias e tudo o que está escrito realmente aconteceu, portanto, é verdadeiro”.

O livro Memórias do professor Kin é um lançamento da Editora UDESC com projeto gráfico, capa e contracapa e diagramação de Valdir Siqueira e revisão de Débora Silveira de Souza Cardoso. A distribuição é dirigida à comunidade universitária e funcionários da Universidade do Estado de Santa Catarina. Contato com o autor: jose.kinchescki@udesc.br

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *