Museus para uma Sociedade Sustentável

O Museu do Rádio, no transcurso da 13ª Semana de Museus, realizou uma mesa-redonda sob o tema Museus para uma Sociedade Sustentável, tema escolhido pelo Conselho Nacional de Museus.

O evento aconteceu no último dia 09 de maio no Museu do Rádio em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Em seguimento, houve a inauguração do “antigo estúdio de rádio” e um coquetel.

banner

1. Discussão “Museus para uma Sociedade Sustentável”.
A sustentabilidade social, como um conjunto de ações que visam melhorar a qualidade de vida da população e o futuro das gerações seguintes, está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico e social sem agressões ao meio ambiente. Em outros dizeres, é o uso dos recursos de forma inteligente.

Inúmeros acervos de documentos e objetos são recebidos, organizados e postos ao acesso público pelos museus. Não raro, são materiais que pertenceram àqueles que já partiram ou são de propriedade de pessoas que nos dizem: “Leva, pois, meus filhos vão pôr isto no lixo”!

Desta forma aceitos, acervos de fotografias, escritos e equipamentos que seriam postos fora – ampliando o volume de resíduos urbanos – tornam-se coisas servíveis, resgatando fontes históricas. São casos onde evitar o lixo é manter a memória. Uma forma para que as gerações futuras conheçam a história colabora quanto ao colapso da sustentabilidade ambiental.

A conservação ou a dispensa de acervos históricos são intrínsecos à preservação ou à perda da identidade cultural e diretamente ligados ao caráter educativo dos Museus na informação do aluno e na formação da cidadania.

Um problema vem à tona: O que guardar? Não se pode guardar tudo. O que é historicamente importante e deve permanecer? O que se escolhe para preservar e o que se deixa na lixeira é um problema para os historiadores e pesquisadores. Foram escolhidas algumas respostas para estas questões:

1. Seletividade: Escolher o que realmente interessa à memória dos museus não importa em guardar tudo, apenas permitir que sejam conservadas as fontes históricas relevantes;

2. Conservação: O que não se consegue guardar adequadamente, será perdido. É o cuidado com a deterioração. Por exemplo, a instabilidade química e a exposição ao tempo de fitas de áudio e películas de celulose e a ação dos térmites na madeira;

3. Acessibilidade: Viabilizar a fácil consulta. Digitalizar todo o conteúdo possível de documentos e fontes históricas é resguardá-los da deterioração e facilitar o acesso aos dados.

Afora a necessidade da conservação material, foi lembrado o problema de espaço dos acervos documentais, no sentido de transformá-los em formato de computador. E para uma maior confiança, a conveniência de existirem arquivos redundantes para a garantia na preservação. Neste momento, torna-se vital o acompanhamento da evolução e da obsolescência dos programas e equipamentos de informática.

As instituições públicas possuem graves problemas quanto à conservação e acessibilidade dos acervos, por razões políticas e falta de recursos. São inúmeros os exemplos de museus com administração estatal que deixaram relevantes documentos se perderem pela ação do tempo ou detendo estes acervos sem possibilidade de acesso. Problemas mais graves são sentidos quando se vê uma fonte histórica que fora doada a uma instituição pública sendo vendida num antiquário…

Por outra senda, cresce a preocupação quanto ao futuro dos acervos particulares. Foi citado que uma viúva chamou um carroceiro e pediu que levasse uma enorme quantidade de equipamentos históricos de radioamadorismo. Foi lembrado o problema dos doadores de órgãos que morrem e a família desconhece ou não atende o seu desejo. No contexto museológico, muita coisa preciosa poderá ir para o lixo, para leigos no assunto ou para os comerciantes de antiguidades.

Foi lembrado um equipamento de rádio dos anos 1920 e de elevada relevância histórica. Este receptor foi um dos precursores da Golden Age do rádio (1930). O fabuloso acervo foi retirado de tonéis de lixo de uma oficina em Porto Alegre. Junto estavam válvulas raríssimas! Foi completamente restaurado e está em funcionamento no Museu do Rádio como um dos primeiros receptores montados na cidade.

Cabe ressaltar a importância na interligação entre os acervos: a informação entre os museus. A visibilidade que os museus devem ter para que as pessoas saibam a quem entregar o material histórico.

Conclui-se. O que preservar que possa representar uma definição de cultura e identidade brasileira? Não temos tradição em manter a memória, no que colabora a baixa autoestima. A preocupação existente, quando há, é quanto aos dos recursos naturais: a Amazônia. As fontes da memória ficam em segundo plano. Em sentido contrário, o primeiro mundo, já tendo destruído grande parte dos seus recursos naturais, possui tempo e recursos para se preocupar com a memória.

Há de se copiar o que de certo fazem as sociedades com maior nível cultural, concentrando maiores investimentos materiais e humanos na preservação histórica.

A partir da esquerda, Henrique Schuchmann, Daltro D’Arisbo, Ruy Kasper, Ivan Rodrigues e Márcia Oliveira.

A partir da esquerda, Henrique Schuchmann, Daltro D’Arisbo, Ruy Kasper, Ivan Rodrigues e Márcia Oliveira.

 

A partir da direita: Márcia Oliveira, Ivan Rodrigues e Arthur D’Arisbo

A partir da direita: Márcia Oliveira, Ivan Rodrigues e Arthur D’Arisbo

 

A partir da esquerda, Márcia Oliveira, Henrique Schuchmann e Sérgio de Moraes Caon.

A partir da esquerda, Márcia Oliveira, Henrique Schuchmann e Sérgio de Moraes Caon.

2. Imagens da inauguração do “antigo estúdio de Rádio”

 

 

Inauguracao

Da direita para a esquerda, Celso Costa, Sérgio de Moraes Caon, Daltro D’Arisbo e Alfredo Barcellos

Da direita para a esquerda, Celso Costa, Sérgio de Moraes Caon, Daltro D’Arisbo e Alfredo Barcellos

inauguracao3

 

inauguracao4

Vista do interior da mesa de som (sound mixer), marca Gates, fabricada em 1960 (USA). Durante 3 meses, ela foi “descoberta” e restaurada por Sérgio de Moraes Caon e Daltro D’Arisbo. Não existe esquema na internet, apenas diagramas de bloco.

inauguracao5

 

inauguracao6

Alguns momentos quando, aos sábados e domingos, desvendamos alguns circuitos e restauramos a amplificação da “sound-mixer”.

3. Imagens do coquetel

 

 

Coquetel

Coquetel.1jpg

 

Participaram da mesa-redonda sob o tema Museus para uma Sociedade Sustentável:
Sérgio de Moraes Caon – bacharel em Direito e pesquisador
Ivan Dorneles Rodrigues – criador do Memorial Landell de Moura
Henrique Schuchmann Morador – Engenheiro agrônomo e radioamador
Arthur Victória D’Arisbo – acadêmico de Engenharia Elétrica
Márcia Ramos de Oliveira – doutora em História
Ruy José Kasper – Engenheiro Elétrico e pesquisador
Daltro Souza D’Arisbo – criador do Museu do Rádio

Produziu o texto básico para discussão: Helena Halushuk.
Agradecimentos a Alice Wichrestiuk D’Arisbo, Maria Delurdes Victória e, em especial, ao radialista Celso Costa.

 

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *