Músico brusquense cego faz sucesso em programa de rádio

Nelsinho Fortuna nasceu com um problema grave de visão. É cego do olho direito e tem apenas 5% da visão no olho esquerdo. Apesar disso, aprendeu a tocar instrumentos musicais sozinho e apresenta um programa de rádio todos os sábados na rádio Araguaia.

Brusquense nascido em 1952, morador do bairro Ponta Russa, Nelson Fortunato é filho de Érico e Olga Fortunato. “Eu sou Nelsinho Fortuna, como a maioria conhece”.

“A música representa tudo porque eu não tive infância, de brinquedo assim”, diz. Nelsinho não pôde terminar a escola e nunca teve a oportunidade de aprender o braille.

Quando iniciou sua trajetória na rádio, já havia o Nelsinho Casqueiro. Para diferenciar, ele escolheu “Fortuna” para acompanhar o seu nome, mas a origem não foi por causa do sobrenome.

“Tem o José Fortuna, um escritor da música sertaneja, foi um dos maiores. Aí eu optei por Nelsinho Fortuna”, conta.

Programa Especial de Sábado

Todos os sábados ao meio dia Nelsinho Fortuna e a esposa, Santina Miranda, estão ao vivo na rádio Araguaia com o programa “Especial de Sábado”.

Assim que o programa foi ao ar em 2005, Fortuna trabalhava com Moacir Heil. Quando ele saiu, seis meses depois, Santina começou a auxiliar Fortuna.

“Eu não tinha experiência nenhuma, mas aí eu fui com ele. A gente canta junto e eu faço as propagandas, conta”.

O programa tem duração de uma hora. Nesse tempo, Nelsinho e Santina cantam duas músicas ao vivo. Fortuna apresenta a música do momento e algumas músicas do passado. “No final eu toco uma música da Jovem Guarda”, conta.

Como Nelsinho é cego, Santina auxilia nas propagandas e informa a hora. “Se na propaganda dele tiver um número de telefone, eu falo o número para ajudar. Faço essas partes que ele não consegue”, explica Santina.

As propagandas que Fortuna faz são decoradas ou então no improviso.

Confira o vídeo do casal cantando “Valsa das Flores”:

“O rádio foi o meu professor”

O problema de visão não impediu que Nelsinho virasse músico. Quando criança, ganhou dos avós o seu primeiro instrumento musical: um cavaquinho cavilha. Tempo depois ganhou da avó um violão.

“O rádio foi o meu professor”, diz. Ele sentava embaixo da prateleira onde ficava o rádio, ouvia as músicas e reproduzia. Aprendeu a tocar todos os instrumentos dessa mesma maneira.

Fortuna também toca viola e guitarra. A primeira viola ganhou dos pais e a sua primeira guitarra ganhou de Carlos Renaux.

Aos 14 anos começou a tocar em bailes e festas de aniversário e a partir daí não parou mais.

Trajetória

Como ouviu rádio desde pequeno e aprendeu a tocar os instrumentos ouvindo música na rádio, Nelsinho viu neste meio uma oportunidade.

“Ah, os anos nem me lembro mais”, disse quando foi questionado sobre a data em que começou no rádio.

No entanto, depois de pedir que a esposa, Santina Miranda, olhasse a data em um quadro pendurado na parede da cozinha, disse que ingressou no rádio em meados de 1976.

Nelsinho começou a participar do programa Sanfona da Serra, na rádio Araguaia, junto com Agenor Oliveira, conhecido como Folgadinho. Ele participou de alguns programas e depois saiu. O mesmo se repetiu um tempo depois.

Quando saiu do rádio, tocou violão solo para a dupla brusquense Marão e Muraí. Depois, começou a tocar no grupo “Comunicatives”, junto com Joel do Vale e Lauro Dalcastagne. “O Joel fazia uma farra comigo porque dizia que nome estava errado, mas eu não dizia nada porque o grupo não era meu”, conta.

Depois de 13 anos no grupo, Nelsinho foi para “Os Catarinenses”, junto com Araldo e Araldinho, no qual tocou durante 17 anos.

Quando saiu do grupo, voltou a tocar com Lauro, no “Lauro Show”. Tempo depois formou um conjunto alemão com Valdecir Montibeller, que durou cerca de cinco anos.

“Nós divulgávamos a Fenarreco. Fomos à Argentina, em Buenos Aires. Por isso que eu sou músico internacional, porque eu andei para lá também”, diz.

Após encerrar a temporada com o grupo alemão, Fortuna tocou guitarra na banda Araújo Brusque por uns cinco anos. Depois, tocou em conjuntos pequenos.

Em meados de 1996 resolveu parar de tocar em bailes e focou na trajetória no rádio. Ele já tinha voltado para a rádio em 1994, depois de operar o olho.

Ele conta que foi por meio do Saulo Tavares que conseguiu fazer a cirurgia. Por isso, um dia foi na rádio participar do programa e tocar umas músicas em forma de agradecimento. “Me despedi pra não voltar e o Saulo disse: na sexta tu vem de novo. Na frente do microfone, ao vivo, a gente não pode dizer que não, aí eu voltei na sexta-feira”, conta.

Nelsinho começou a fazer segunda voz e violão solo para Tininho Marcos. Participou do programa durante 11 anos. Em 2005, abriu o seu próprio programa na rádio Araguaia, que permanece até hoje na programação.

“A música foi meu tudo”, finaliza Nelsinho.

(O Município, 29/03/2019)

 

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *