Não ver o tempo passar

“Je n’ai pas vu le temps passer” (Eu não vi o tempo passar), diz uma antiga canção de Charles Aznavour.

Normalmente, quando alguém pensa nisso é com a sensação de tempo não-vivido, mal vivido ou desperdiçado. Mas, a noção de tempo é de extrema complexidade, relativa como Einstein teorizou: quando estamos felizes ele parece passar depressa. Mas, o sentimento é o mesmo quando estamos aflitos ou ansiosos. No entanto, ele beira à eternidade quando esperamos avidamente por dias melhores; ou volta a passar vertiginosamente quando saturamos nossas vidas com trabalho insano e atividades de toda espécie, quais narcóticos a nos distrair da falta de sentido que damos à vida, ou que não encontramos nela.

Esse derradeiro modo de encarar o tempo destrói nossa sensibilidade, nossa humanidade. As pessoas viram objetos, números; os objetos tornam-se mais importantes do que elas, mas todos perdem valor a qualquer momento em nome de um “novo”, que não necessariamente inova. O ritmo desenfreado e impulsivo faz com que o tempo que não se vive ou que se vive mal “flua” mais rápido, por inércia, sem brilho, sem detalhe, sem memória, sem paixão, sem sentido…

De repente, a gente para, olha em torno, olha para si, no espelho e para dentro, na alma, e percebe que não viu o tempo passar, não porque se quis que ele passasse depressa, mas porque esteve alheio a ele ou a espera passiva por dias melhores. Esses podem ter sido tempos cheios de sensações, mas sem sentimentos. Tempos que não nos dão a leveza da vida em plenitude, mas o peso do vazio existencial. Tempos que nos esvaem numa induzida vertigem materialista. Vertigem que começa com coisas, depois se estende a pessoas. Vertigem que substituirá amigos por interesses…

Então, sem que se perceba, todos os prazeres terão sido experimentados, sem limites – às vezes exacerbados artificialmente -, mas sem nenhum vestígio de amor sincero.

Os sons da natureza serão inaudíveis; as pessoas amadas serão intocáveis; os aromas e gostos serão modas…

No limite, o dia presente tornar-se-á uma vaga esperança do dia futuro, que nunca virá porque não é construído; porque quando chegar será mais um dia presente, que se quer passado…

Quem vive assim, quando pressente o “risco” do comprometimento o repele, com medo de perder a liberdade de provar de tudo o que o convenceram que a vida oferece de “melhor”. Mal sabem que, assim, podem estar desperdiçando o que a vida tem realmente de bom, por medo de ousar e sofrer.

Quem aceita viver assim, se transforma em mais uma engrenagem da máquina de moer vidas do mercado, ou numa peça do relógio do tempo perdido, que o atrasar dos ponteiros nunca conseguirá resgatar.

Deus nos deu nervos para sentir e não é “cortando-os” que estaremos livres das dores e aflições do mundo. No mais, se isto nos poupa da dor, também nos priva dos sentidos, e tudo isso faz com que não vejamos o tempo passar ou, pior, que desejemos que ele passe depressa. Alguns até decidem interrompê-lo…

O tempo não merece isso!

É preciso dar graças à vida e tornar cada dia único, memorável!

Material, sim, mas principalmente humano e espiritual, para que toda vez que pensarmos na vida, tenhamos a certeza de que ela está sendo bem vista, com todos e em todos os sentidos.

Então: “Carpe diem”, colegas!

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa / Comportamento)
Caso queira receber gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas, Dest’Arte e Claras Visões, basta solicitar pelos e-mails: [email protected] e [email protected] | Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 | (13) 97723538 | Santos – SP

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *