Nasce a rádio Clube Paranaense – Cap. 2

Chega o ano de 1924. O arroz, graças à isenção alfandegária, custava 400 réis o quilo. A Libra Esterlina era vendida a 32 mil réis. O Dólar Americano custava 8 mil e 600 réis. Um receptor de rádio, com o qual se ouviam “até estações dos Estados Unidos” (conforme propaganda da época), era vendido por 120 mil réis, preço que tornava a sua aquisição proibitiva para a grande maioria da população. No dia 27 de junho de 1924 reuniram-se alguns amigos, apaixonados pela radiotelefonia, com o objetivo de fundar um clube de rádio.

Dessa reunião foi lavrada a ATA DE FUNDAÇÃO DO RÁDIO CLUBE PARANAENSE.

“Aos 27 dias do mês de junho do ano de 1.924, às onze horas da manhã, na residência do Sr. Fido Fontana, industrial desta Praça, presentes esse senhor e as seguintes pessoas, Senhores Livio Gomes Moreira, João Alfredo Silva, Olavo Bório, e Dr. Oscar Joseph de Plácido e Silva, estando devidamente representados os Senhores Dr. Ludovico Joubert, Euclides Requião, Bertoldo Hauer, Gabriel Leão da Veiga e Alberico Xavier de Miranda, todos amadores de radiotelefonia, foi fundada uma sociedade tendente à difusão de radiotelefonia, a qual tomou a denominação de Rádio Clube Paranaense.

Pelos presentes foi aclamada uma diretoria provisória, constituída pelos senhores Fido Fontana, presidente, Livio Gomes Moreira, diretor técnico, e João Alfredo Silva, secretário-tesoureiro. Foi incumbido o Sr. Livio Moreira de redigir o projeto-estatutário a ser discutido na próxima reunião que ficou marcada para o dia 15 de julho entrante. Enquanto não for instalada a estação irradiadora do novel clube, o Sr. Livio Moreira, que é o decano dos amadores de rádio em nosso Estado, quiçá no Brasil, por gentil deferência, ofereceu-se para irradiar diariamente, a título experimental, pela sua pequena estação transmissora, iniciando-se assim, desde já, a intensificação da radiotelefonia em nossa Capital. Pelo Sr. Presidente foi ordenada à secretaria a expedição de circulares comunicando a fundação do Rádio Clube Paranaense. Nada mais havendo a tratar-se, foi lavrada a presente Ata que vai assinada pelos presentes.”

E aí começou uma longa caminhada.

As novidades técnicas foram surgindo. Os aperfeiçoamentos eram introduzidos. O rádio era a moda e em torno de um receptor reuniam-se as famílias e os vizinhos para ouvir os programas. SQ1F foi o primeiro indicativo de chamada da nova emissora.

Em 1933 o Rádio Clube Paranaense recebe o prefixo PRAN.

Em 1935, inaugurando novos transmissores com mil watts de potência e instalado no Belvedere do Alto São Francisco (ainda hoje existente e que já foi ocupado pela União Cívica Feminina) o Rádio Clube recebe o prefixo que ficaria famoso em todo o Brasil: PRB-2.

Cantores locais eram apresentados e talentos curitibanos iam surgindo.

Na década de 30, pela primeira vez no Paraná, a Rádio Clube Paranaense transmitiu uma partida de futebol. Foi um Atletiba realizado na velha Baixada, na Rua Buenos Aires.

Baseado em informações obtidas em bate-papos com Jacinto Cunha, Eolo César de Oliveira, outros veteranos da PRB-2, e numa conversa que tive com Zinder Lins, eu achava que esse jogo fora realizado em 1930.  Meus amigos Valério Hoerner Júnior e Luiz Witiuk, ambos professores, pesquisadores e escritores, convenceram-me de que foi em 1934.

De qualquer forma foi na década de 30 que se começou a transmitir partidas de futebol em Curitiba.

Quando diretor da Rádio Clube Paranaense, certa vez recebi a visita do Sr. Zinder Lins, um dos autores do Hino do Clube Atlético Paranaense. Zinder me levou de presente uma fotografia registrando esse grande acontecimento onde aparecem os locutores sobre um tablado e os torcedores, em grande número, todos de terno, gravata e chapéu.

Em 1933 realizou-se a primeira apresentação de teatro pelo rádio no Brasil.

Heitor Stockler de França

A Rádio Clube reivindica esse título de pioneira do radioteatro, modalidade de programa que mais tarde empolgou o povo brasileiro. Correia Júnior teve a idéia e convidou seus amigos Heitor Stockler de França, poeta como ele, e Otávio de Sá Barreto, outro intelectual, e juntos apresentaram “A CEIA DOS CARDEAIS”, de Julio Dantas. Correia Júnior fez o papel do Cardeal Gonzaga (o português), Heitor Stockler interpretou o Cardeal Mont Morerci (o francês) e Otávio de Sá Barreto fez o papel do Cardeal Rufo (o espanhol). Foi um sucesso.

Mais tarde a Bedois chegou a manter no ar treze programas radioteatrais.

Heitor Stockler de França foi um destacado empresário e sindicalista paranaense. Foi um dos fundadores da Federação das Indústrias e por quatorze anos seu presidente. Pertenceu ao Centro de Letras do Paraná e ao Instituto Histórico e Geográfico. Estas e muitas outras atividades que desenvolveu não o impediram de cultuar a poesia, deixando como legado uma bela obra literária. Foi um dos participantes da primeira apresentação de teatro pelo rádio, na Rádio Clube Paranaense, junto com Octávio de Sá Barreto e Correia Júnior.

Ubiratan Lustosa. O Rádio do Paraná – Fragmentos de sua história. Curitiba, 2009. Instituto Memória Editora e Projetos Culturais. 41 3352-3661. www.institutomemoria.com.br  

Categorias: Tags: , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *