Neto e Juarez Soares*

Meu filho mais novo, Rafael, me conta que, ao vivo e a cores, ao ser elogiado por Milton Neves na Rede Bandeirantes de Televisão, Neto declarou: “Se aprendi alguma coisa é porque me inspirei no Juarez Soares, que considero o melhor comentarista que já ouvi”.

Legal, para dizer o mínimo, a frase de Neto, considerado por muitos como uma pessoa polêmica e intempestiva. Porém até mesmo os que não gostam dele, admitem: Neto fala o que pensa e hoje em dia é um dos poucos cronistas esportivos que fogem do lugar comum.

Parabéns ao Neto. Confissões como a que ele fez no ar é sintoma de bom caráter. E de segurança, de saber o próprio valor e não ter medo de elogiar um companheiro. Que não é de sua emissora e por isso mesmo a afirmação ganha ainda mais mérito.

Claro que concordo com Neto quando ele diz que Juarez Soares é o melhor comentarista em atividade. Se você quer ouvi-lo e conferir, Juarez Soares está todos os dias, das 18 às 19 horas comandando um programa na Rádio Record AM, 1000 khz. E é um dos comentaristas da emissora nas transmissões esportivas. Outro bom comentarista da Record AM é Paulo Roberto Martins, que também é o chefe da equipe.

Desnecessário falar de Juarez Soares. Praticamente todos os que gostam de futebol o conhecem e respeitam. Ele começou muito cedo na Rádio Cultura de Lorena. Como é (ou era) de costume numa emissora do interior, tinha mil e uma utilidades lá. Era narrador esportivo, locutor de rádio-jornal, apresentador de programas, além de disck-joquei que, na época, significava uma espécie de comentarista musical.

Quando veio para São Paulo, também muito jovem, estreou na Rádio Difusora. Logo em seguida participou da mais espetacular equipe esportiva já formada no rádio, a famosa 1040. Com os cracaços e reis do rádio Pedro Luís e Mário Morais e mais Haroldo Fernandes, em quem Osmar Santos afirmou ter se inspirado, Luís Noriega, pai de Maurício Noriega e dono de belíssima voz, Mário Garcia, Alfredo Orlando, aposentado hoje em Campinas, Vitor Moran, atuando em Santos, Otávio Pimentel, Milton Camargo, além dos saudosíssimos Manoel Ramos, José Roberto Ramos, Ávila Machado, José Goes e Eli Coimbra.

Juarez também brilhou na Rádio Gazeta e na Rádio Nacional, atual Globo, para onde foi acompanhando Pedro Luís. Atuou na Jovem Pan, na Capital com Hélio Ribeiro e na Globo com Osmar Santos. Até que a televisão o descobriu e ele passou a ser ainda mais conhecido. Foi notável no Bom dia, São Paulo, apresentado por Carlos Monforte. Criou escola, Faustão o substituiu depois de alguns anos e o imitava.

Com Luciano do Vale deixou a Globo e foi para a Rede Record. Lá, tornou-se o comentarista que vocês todos conhecem e que Neto também conheceu. Sua passagem pela política, (foi vereador em São Paulo e Secretário de Esportes) não o afastou totalmente da Imprensa, mas, é óbvio, o obrigou a temporadas fora do ar, devido a legislação eleitoral.

Uma coisa é certa: experiente, vivido, Juarez Soares continua atualíssimo. Inteligente ao extremo, dono de um senso de humor fora do comum, criador de frases e, principalmente, profundo conhecedor de futebol, ele é, com a licença dos demais, o mais talentoso comentarista esportivo do rádio, onde ele hoje concentrou suas atividades.

Quando atua em televisão, a mesma coisa. Não há ninguém como ele. Nem parecido. Neto, na minha opinião, é o único que pode chegar lá. Durante algum tempo, Juarez e Neto, professor e aluno, segundo o próprio Neto, conviveram na mesa redonda Estação Futebol, da Rede Vida de Televisão.

Era um show à parte. Eu, como mero apresentador, me surpreendia desatento muitas vezes, quando era a minha vez de usar a palavra. Certamente meu descuido era devido ao fato de estar exatamente na mesma posição dos telespectadores. Ou seja, embasbacado, ouvindo ambos, Neto e Juarez, falarem, entrevistarem e emitirem opiniões sempre únicas.

E eles o faziam de uma maneira franca, honesta e envolvente como não se vê em nenhum outro programa de TV. Foi um privilégio ter sido, como se dizia antigamente sobre os goleiros de time que atacavam o tempo inteiro, um “privilegiado espectador dos dois artistas”.

Opinião Edgard Soares: http://www.futebolinterior.com.br/news.php?id_news=76467

1 responder
  1. landre machado says:

    juares o unico progr ama de esporte q tenho saudade e queria se um dia pudese ver de novo era o da band ao meio dia com vose o lusiano o eli coimbra so profisionais de primeira ate hoje nao tem igual parabens e queria ver vose comentando di novo vose e comentarista e humorista e muimto inteligente parabens de seu fa

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *