O nascimento do rádio e da televisão

Semana da Radiodifusão | 88 anos de rádio no Brasil

Antunes Severo *
Marco Aurélio Gomes *

A memória da radiodifusão vem de longe, de muitas fontes e variadas interpretações. Esta versão que você lê é apenas uma delas. Por ser mais recente espera-se que traduza uma adequada síntese do que mais possa interessar ao leitor contemporâneo, tão aturdido pela miríade de opções disponíveis em qualquer parte do planeta graças a multiplicidade dos atuais meios de distribuição de informações. Num ponto, porém – tanto quando sabemos –, os pesquisadores e autores estão de acordo: as primeiras notícias sobre as descobertas científicas a respeito da radiodifusão vieram da Inglaterra. Em Cambridge o professor de física experimental James Clerck Maxwell teria demonstrado teoricamente a provável existência das ondas eletromagnéticas, em 1863. A seguir apareceram os estudos do alemão Henrich Rudolph Hertz, do italiano Guglielmo Marconi, do inglês Oliver Lodge, do francês Ernest Branly; outro alemão Von Lieben, os norte-americanos Lee Forst e Armstrong e na seqüência o brasileiro Roberto Landell de Moura, todos acrescentando mais detalhes ao que já era, então, uma descoberta.

Em suas teses Landell de Moura previa o uso da telegrafia sem fio, da radiotelefonia (o celular de hoje), a radiodifusão, os satélites de comunicação e o raio laser. Isso tudo em 1890. A coisa parecia tão fantástica para a época que acabou assustando a comunidade religiosa – Landell era padre católico – e a elite governamental instalada no Brasil em 1889 sob o comando do marechal Deodoro da Fonseca, na condição de presidente provisório.

As pesquisas de Landell de Moura só vêm a ser reconhecidas dez anos mais tarde, em 1900 quando o governo brasileiro concede a carta patente nº 3279 que lhe reconhece os méritos de pioneirismo científico universal na área das comunicações. No ano seguinte padre Landell vai para os Estados Unidos e em 1904 o The Patent Office at Washington lhe concede três cartas patentes: “para o telégrafo sem fio, para o telefone sem fio e para o transmissor de ondas sonoras”.

Essa demora no reconhecimento da produção científica de Landell de Moura custou muito caro ao pesquisador e a história do Brasil. Pois, embora suas experiências comprovadas publicamente datem de 1893, o “primeiro mundo” reconhece como Descobridor do Rádio o cientista italiano Guglielmo Marconi. Simplesmente porque Marconi conseguiu a patente para as suas experiências em 1895, enquanto Landell só foi reconhecido oficialmente no ano de 1900, como mencionado acima.

No Brasil, em 1919 são realizadas as primeiras transmissões da Rádio Clube de Pernambuco, em Recife. Outra experiência ocorreu em setembro de 1922 com as transmissões experimentais realizadas por ocasião da Feira Internacional do Rio de Janeiro e a radiodifusão propriamente dita – transmissão de rádio com programação definida e continuada – ocorreu em 1923 com o início de operações Rádio PRAA – a primeira radiodifusora do país, hoje Rádio Ministério da Educação, criada e dirigida por Edgard Roquette-Pinto.
 
O início da televisão no país foi facilitado pelos caminhos abertos pelo rádio. A tecnologia básica desenvolvida para chegar no rádio é semelhante a de que precisou a televisão. Em estudo publicado pelo site Tudo sobre TV, em 1998, o jornalista e pesquisador Maurício Valim afirma ter sido em 1920 que se realizaram “as verdadeiras transmissões, graças ao inglês John Logie Baird, através do sistema mecânico baseado no invento de Nipow”. Paralelamente às pesquisas de Baird outros cientistas trouxeram contribuições relevantes até que em março de 1935 “emite-se oficialmente a televisão na Alemanha e em novembro na França, sendo a Torre Eiffel o posto emissor”, conforme afirma Valim, no estudo já citado, embora outros autores considerem que a primazia da televisão cabe aos ingleses.

A partir desse início o invento se populariza. A Inglaterra faz a primeira externa transmitindo a cerimônia de coroação de Jorge VI, em 1936, a Rússia faz transmissões regulares em 1938 e no ano seguinte começa a operar nos Estados Unidos a NBC – National Broadcasting Company.

Ainda em 1939 dá-se a primeira transmissão de televisão em circuito fechado no Brasil. “Foi durante a Feira Internacional de Amostras da cidade do Rio de Janeiro, então capital do país, utilizando equipamentos de origem alemã”, como afirma Maurício Valim. Já a televisão comercial foi implantada no país em setembro de 1950, com o início das transmissões da PRF-3 TV Tupi de São Paulo, por iniciativa do jornalista Assis Chateaubriand.

* Texto com base na pesquisa realizada pelos autores para o livro Memória da Radiodifusão Catarinense lançado pela ACAERT em 2009 em edição da Insular de Florianópolis.

2 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *