O Poder da Propaganda

Não é de hoje que se sabe que a propaganda é um poderoso – e necessário –meio de divulgação e exposição não só de produtos, mas também de pensamentos. É com ela que se disseminam ideias para a grande massa, a fim de que ela as absorva e a tome para si como real.

Sendo assim, não é de admirar-se o fato de que, em 1926, a cerca de quase 90 anos atrás, essa técnica já fosse usada por Hitler em seu livro “Mein Kampf”.

Segundo ele “A propaganda consiste em forçar uma doutrina nos povos inteiros. A propaganda atua na sociedade, no ponto de vista de uma ideia e fá-las maduras para a vitória desta ideia”. — palavras de Hitler no seu livro Mein Kampf.

Livro “Mein Kampf” – 1926, Adolf Hitler.

Livro “Mein Kampf” – 1926, Adolf Hitler.

Esse livro foi feito com o objetivo de divulgar e trazer a absorção das propagandas nazistas para o povo como necessárias, a fim de que a população concordasse, colaborasse e olhasse com normalidade as atrocidades a serem cometidas sob o comando de Hitler contra os judeus, e que defendia seus ideais de Nacional Socialismo que compreendia o racismo, o antissemitismo e o anti-bolchevismo. Vale ressaltar, também, que não só as propagandas em si expunham a sociedade o dever de colaborarem e aceitarem as atrocidades realizadas, pois também se utilizou para essa pratica o Cinema, e em grande peso.

Filme “O Triunfo da Vontade” – 1935, de Leni Riefenstahl.

Filme “O Triunfo da Vontade” – 1935, de Leni Riefenstahl.

Os filmes nazistas exibiam os judeus como sendo seres “sub-humanos” que se infiltraram na sociedade ariana. Joseph Goebbels foi um Cineasta, jornalista, literato e filósofo, que com seu espirito de patriotismo, oi nomeado por Hitler ao cargo de Ministro da Propaganda. Produzia filmes em que procurava mostrava ao máximo uma Alemanha feliz e próspera. Em alguns filmes os judeus chegavam a ser tratados como parasitas culturais ambulantes; e no filme “O Triunfo da Vontade”, de 1935, de Leni Riefenstahl, exaltavam a Hitler e o movimento Nacional Socialista. Seus filmes, até hoje, influenciam em outros filmes, documentários e comerciais.

Tais propagandas tinham imenso poder psicológico, o que se pode afirmar levando em consideração no fato de como foi possível que, com sucesso, manipulasse uma sociedade em massa, a assentir e ver como que “normal”, a discriminação tremenda e todas as outras formas de violência a outros seres humanos. Por isso, fica a quem receber o poder de realizar propagandas que atingirão a massa, o poder de manipulação das informações e ideias, para que não sejam expostas de modo a afetar um pensamento em massa de maneira erada e negativa.

“Não é na fraqueza da desunião das esquerdas e sim, na força do movimento nazista, que se pode entender sua ascensão. Sua organização e sua propaganda são mais fortes que a inexpressividade de seus oponentes”. – Hannah Arenat, filósofa política alemã de origem judaica. Uma das mais influentes do século XX.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *