O prejuízo do off-tube

Muitos me têm questionado porque as rádios de Curitiba e outras cidades não transmitem mais dos estádios os jogos quando os times atuam fora.

torcedor_radio_2
E os canais de televisão também fazem isso hoje com muita frequência. Tudo isso começou lá pelo ano dois mil. Lembro que em 2003 quando acabou o futebol na Rádio News em São Paulo tive uma reunião com diretores de uma famosa rádio. Colocaram que tinham narradores suficientes porque já eram mais viagens para outras cidades. “Hoje ficou fácil transmitir futebol.

A televisão mostra a imagem de todos os jogos”. Engoli sem seco e sai de lá preocupado com o futuro do rádio esportivo. Ontem estava ouvindo “Nosso Mundo Esportivo” pela Rádio Evangelizar de Curitiba com Jacques Santos, Capitão Hidalgo e Luís Cláudio. Esse assunto foi abordado mais uma vez e com muita propriedade. Capitão Hidalgo falou do tempo em que no mínimo quatro emissoras locais acompanham Atlético Paranaense, Coritiba e Paraná onde quer que fossem jogar.

Isso sem falar das coberturas dos jogos da Seleção Brasileira em amistosos e competições oficiais dentro e fora do país. Jacques Santos lembrou que hoje existem facilidades para comprar passagens aéreas a baixo custo ao contrário de que acontecia antes. O assunto merece por isso mesmo vários adendos.

a) – As transmissões em off-tube diminuíram a qualidade e a credibilidade das transmissões esportivas e das rádios;

b) – Só porque a televisão transmite os jogos não se justifica a ausência;

c) – No momento em que os que dirigem as rádios se conscientizarem que o futebol precisa ser transmitido dos estádios com certeza as empresas voltarão a investir na publicidade. Aproveito para parabenizar Willy Gonser que assumiu recentemente o Departamento de Esportes da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, uma potência no rádio mineiro.

Com a audiência subindo a Inconfidência já se libertou do Off-Tube completo. Nos jogos dos times mineiros fora de Belo Horizonte são enviados narrador, repórter e operador técnico. Elogios também ao Grupo Independente de Rádio da cidade gaúcha de Lajeado que além de acompanhar o Lajeadense também está com seus profissionais em todos os jogos da dupla Grenal pelo país afora.

Os custos são os mesmos para as emissoras das capitais e do interior. Falar que os custos são elevados à gente até entende mas, são os mesmos de antes quando narrador, comentarista, repórter, operador de externa compareciam aos estádios. Na verdade as transmissões é que perderam a qualidade. Para ganhar novamente a Credibilidade dos anunciantes e ouvintes só existe um caminho: Qualidade e transmissões in loco. O resto é “papo furado”.

É isso aí.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *