O RÁDIO PODE E DEVERIA ENGAJAR-SE NA CAMPANHA CONTRA AS DROGAS

A Associação Parceria contra Drogas – APCD – é uma ONG sem fins lucrativos, fundada em 1996 por vários empresários da Iniciativa Privada. Sua missão é divulgar campanhas educativas de caráter preventivo contra drogas ilícitas. Nesses 10  anos de existência, a TV tem sido a mídia majoritária, a que mais sem engajou na campanha. O Rádio tem  tido um papel  tímido, quase que inexistente. Santa Catarina poderia dar um bom exemplo? Com a palavra a ACAERT.
Por Chico Socorro

O IBOPE realizou uma pesquisa com 2.000 pessoas (16 a 70 anos), em 145 municípios brasileiros. Do total de entrevistados, 73% afirmaram ter visto ou escutado, recentemente, alguma propaganda antidrogas.
A grande maioria, 94%, disse ter visto essa propaganda na TV.
Emissoras de TV de sinal aberto e a cabo veiculam filmes da campanha assinada pela Associação Parceria Contra Drogas com o conceito “Quem usa drogas financia a violência”.

Os comerciais têm como mote: “O tráfico é dependente de você” e o argumento principal desta campanha é que o consumo de drogas contribui para fortalecer os traficantes e aumentar a violência.

Durante a pesquisa realizada pelo IBOPE, uma das perguntas aplicadas foi exatamente para saber se este argumento é forte o suficiente para que as pessoas que consomem drogas deixem de usá-las ou, pelo menos, pensem em deixar. Ao todo, 44% dos entrevistados afirmaram que o argumento é forte o suficiente.

Não é de hoje que a sociedade brasileira se choca com crimes cometidos por usuários de drogas ilícitas ou seus familiares. Recentemente, o problema voltou ao centro da arena com o documentário de 58 minutos do rapper MV Bill exibido na TV Globo.

Caso a ACAERT decida aceitar esse desafio, recomendo começar com a veiculação de dois spots cujos áudios podem ser retirados diretamente do site www.contradrogas.org.br e que os internautas poderão conhecer clicando aqui:

Spot Patrocínio
Spot Obrigado

Observação: o colunista é Diretor da APCD e seu representante em SC.


{moscomment}

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *