O Vai e Vem do Verso: as relações da poesia com a publicidade

O livro de Nelson Baibich lançado pela Editora Unisul em 2011, continua na ordem do dia para poetas, literatos e publicitários.

NelsonBaibichCapaFundamentado na dissertação de mestrado do autor, O Vai e Vem do Verso se torna singular e atrativo por reunir, num só trabalho, duas vertentes distintas, porém unidas pela linguagem, realçam os editores.

Já o doutor em literatura, professor Antonio Carlos Santos, assinala: A tarefa a que se propôs Nelson Baibich foi exatamente pesquisar como a publicidade aprende  com a poesia, por um lado, mas também como a poesia aprendeu a usar as armas da comunicação para fazer uma arte que se queria menos sagrada e mais próxima das ruas, das novas tecnologias. E finaliza Antonio Carlos: Se essas relações são perigosas e por isso evitadas por muitos, o fato é que o próprio da arte talvez seja mesmo estar sempre desafiando as fronteiras, ultrapassando os limites e confundindo o estabelecido.

Na apresentação do livro de Baibich o leitor se reencontra com um velho e querido mestre da publicidade e do jornalismo, o inesquecível professor Elóy Simões.

Diz ele no título da apresentação Sou poeta e não sabia:

Este livro surpreenderá os intelectuais que insistem em enxergar, no texto publicitário, uma subliteratura. E publicitários que ainda se envergonham de dizer que fazem anúncios.

Desde o início da minha profissional, a maior parte dela escrevendo textos publicitários, ouço, de publicitários frustrados e de intelectuais pretensiosos, declarações de desprezo ao que estavam fazendo.

As mensagens publicitárias, são, então, criadas por eles sob muita dor de consciência. Com vergonha e sofrimento. E os resultados, por melhor que sejam, não lhes causam nenhuma satisfação.

NelsonBaibichNelson Baibich, professor, redator, diretor de arte, artista e mestre em Ciências da Linguagem tem a coragem de encarar o problema neste O Vai e Vem do Verso – As Relações da Poesia Concreta com a Publicidade Impressa. E mostrar que não há nenhuma razão para isso.

“… esta pesquisa pretende investigar e identificar as relações da comunicação de massa na construção d movimento concreto brasileiro e, por consequência, a impregnação desse modelo de discursividade na atual mídia impressa publicitária. Uma via de duas mãos onde as influências do concretismo estão na propaganda e onde a propaganda se acomoda na poesia de vanguarda em muitos dos seus grande momentos”, ele promete logo na Introdução do livro.

Para fazê-lo, Nelson consulta, com paciência e perspicácia, 39 estudiosos. E cumpre: “O verso sempre esteve dentro do contexto publicitário. Na elaboração dos anúncios, na identificação com propostas, marcas e produtos. Este, nos parece, é o movimento do “vai e vem” do verso. Um movimento que transita entre a poesia e a publicidade”.

Lendo este livro, os publicitários conhecerão mais uma faceta da fascinante profissão que abraçaram. Já os intelectuais radicais, se conseguirem lê-lo sem preconceito, aprenderam a ver o texto publicitário com mais respeito. Elóy Simões. Publicitário, jornalista, professor do Curso de Comunicação Social da Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul.

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *