O xingamento

Agora eu vou contar mais uma do radiotelegrafista Alberti.

Orlando Alberti não trabalhava em rádio, trabalhava para as rádios. Ele recebia das Agências internacionais as notícias do mundo e as repassava para as Emissoras de Rádio. O Alberti era uma figura extraordinária. Ele era radiotelegrafista do Serviço de Comunicação do Exército, um especialista em código Morse.

Segundo o Oséas da Costa Félix, o Cachimbo, que também era radiotelegrafista e também era do exército, o Alberti foi um dos melhores do mundo.

Às vezes, ao mesmo tempo em que recebia as notícias em Morse, e em espanhol, ele ficava conversando tranquilamente com outras pessoas e memorizando o que ouvia. No final da transmissão ele dava um OK e datilografava o rádio às vezes com mais de 50 palavras, e já com tradução para o português. Memória extraordinária.

No quartel, o Alberti e o Cachimbo atuavam juntos. No horário da noite, os operadores trabalhavam até as 24 horas, recebendo centenas de rádios. Havia alguns colegas engraçadinhos que lhes passavam trotes por telefone, com irritante frequência. Ligavam e diziam ser o coronel fulano, ou o general beltrano, e davam ordens esdrúxulas ou faziam pedidos estranhos e, depois, caíam na gargalhada gozando o coitado que os atendera.

Numa noite de serviço do Alberti, ele recebeu um desses telefonemas e, já cansado e irritado com aquelas brincadeiras, ele só esperou a pessoa falar “aqui é o general fulano” para desandar seus impropérios:

– Vai dormir, vagabundo! Não fica enchendo o saco de quem está trabalhando! Seu chato, seu filho disso, filho daquilo!

E do outro lado da linha a pessoa dizia:

– Escute… escute…

Mas não conseguia falar, pois o Alberti não parava de xingar.

– Vai plantar cebola seu palhaço!

Puxa vida! Não foi uma noite feliz para o Orlando Alberti. Aquela vez não era trote e quem estava ligando era realmente o general. Conta o Cachimbo que, no dia seguinte, foi um trabalhão danado explicar o incidente para o general e pedir desculpas.

A competência do Alberti e a lábia da turma em sua defesa foram a salvação. O general deu o caso por encerrado.

 

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *