Obra Caros Ouvintes é lançada em agosto

O livro “Caros Ouvintes”, que aborda a trajetória de mais de 60 anos do  rádio em Florianópolis, será lançado no dia 4 de agosto, à partir das 19 horas, no hall da Assembléia Legislativa. A obra, de autoria de Antunes Severo e Ricardo Medeiros,  é uma co-edição da Editora Insular e  da Associação Catarinense de Imprensa (ACI).
Da Redação

Antes do lançamento do livro haverá a posse da nova diretoria da Associação Catarinense de Imprensa e o anúncio oficial, pela entidade,  da criação da coleção “Imprensa Catarinense”, voltada para publicações que envolvam a comunicação no estado barriga-verde, cujo primeiro volume é a obra Caros Ouvintes. O Conselho Editorial da  coleção será formado por representantes da Associação Catarinense de Imprensa, Sindicato dos Jornalistas, Câmara Catarinense do Livro, Academia Catarinense de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina.

De acordo com Antunes Severo e  Ricardo Medeiros, a idéia inicial era que Caros Ouvintes  abordasse apenas os 60 anos do rádio na capital catarinense e arredores. Ou seja,  de 1943, quando surge a pioneira Rádio Guarujá, até 2003. No entanto, os autores decidiram estender sua pesquisa até julho de 2004, com o intuito de incluir as novas emissoras que apareceram no cenário da Grande Florianópolis e contemplar a mudança de programação de algumas delas.

O livro se concentra sobre as estações de rádio ditas comerciais, que são a sua maioria, e a única representante das rádios educativas na região : a Rádio UDESC. Desta forma, não fazem parte do estudo dos autores as emissoras comunitárias ou emissoras piratas.

Para Antunes Severo, “a obra é uma das tantas possíveis interpretações sobre a história do rádio em Florianópolis, tão rica e cheia de nuances”.  Conforme o escritor, o trabalho contempla momentos  da trajetória  das emissoras da região, tendo como  ingredientes os relatos e detalhes da programação « através das pessoas que fizeram o rádio nesta terra de caso e ocaso », bem como via ouvintes, periódicos e livros. Além disso, a obra reúne fatos e personagens que moldaram o imaginário de várias gerações.

Desta forma, o livro tem o caráter  de servir como  instrumento de recuperação da memória deste veículo de massa. Um material destinado a profissionais, pesquisadores e estudantes  da área de  comunicação, bem como  a amantes do rádio e interessados em compreender o entrelaçamento entre o meio radiofônico e vida cotidiana em Florianópolis.

O livro é também uma provocação, segundo o outro autor,  Ricardo Medeiros,  àquelas pessoas que construíram o rádio em Florianópolis e que continuam- na opinião dele- de braços cruzados: “que se eximem de dividir as suas experiências com o leitor da capital e de outras partes do Estado”. O autor  complementa o seu raciocínio:  “o livro é uma provocação a esses que dizem que não têm tempo para escrever, fazer um rascunho sobre os anos dourados do rádio da Grande Florianópolis, as mudanças sofridas pelo meio com o advento da televisão ou sobre a situação  atual  do veículo”. Para Medeiros:  “quanto mais calados eles  ficam, mais a história do rádio em Florianópolis se perde no ar”.

A obra conta com uma introdução do professor, pesquisador e escritor Celestino Sachet, “As Rondas do Poder nas Ondas do Rádio”. Através desta parte, o leitor tem um panorama sobre o cotidiano de Florianópolis  nas décadas de 1940, 1950 e 1960, época de guerra, de getulismo, golpe militar e de controle das emissoras da capital por grupos políticos.


{moscomment}

0 respostas

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *