Ondas curtas: a força do rádio que vai mais longe

Em países como o Chade são as ondas curtas que ainda ponteiam a radiodifusão!   O Chade é um país localizado no centro-norte da África que, durante muitos anos, foi colônia da França. Mais de 80 por cento de sua população é composta de afro-árabes e o islamismo é a principal religião. Da capital, N’Djamena, transmite a emissora estatal do país, na freqüência de 6165 kHz. Por outro lado, uma emissora brasileira com poucos relatos de sintonia é a Rádio Caiari, de Porto Velho (RO). Em 24 de setembro, a emissora foi captada em São José (PB), pelo Lenildo da Silva, na Paraíba, transmitindo músicas sertanejas, por volta de 09h15, no Tempo Universal, em 4785 kHz.

Categorias: Tags: , ,

Por Antunes Severo

Radialista, jornalista, publicitário, professor e pesquisador é Mestre em Administração pela UDESC – Universidade do Estado de SC: para as áreas de marketing e comunicação mercadológica. Desde 1995 se dedica à pesquisa dos meios de comunicação em Santa Catarina. Criador, editor e primeiro presidente é conselheiro nato do Instituto Caros Ouvintes de Estudo e Pesquisa de Mídia.
Veja todas as publicações de .

Comente no Facebook

2 respostas
  1. João Damasceno says:

    Antunes, se possível for, e justamente baseado no tema acima, “…rádio que vai mais longe”, bem, entendo que as ondas curtas tem essa propriedade de “irem mais longe” (não necessariamente em todas as faixas) mas ainda assim vão mais longe. Porém, o que faz uma rádio emissora de ondas curtas ser mundial? A princípio a potência de seus transmissores e a faixa na qual opera, porém, se é assim, como pode a rádio russa UVB-76 que com um transmissor de 25Kw alcança o mundo todo?!

  2. Antunes Severo says:

    Caro João, não tenho conhecimento técnico para te responder. Mas, o mais provável é que naquele época as inteferências eletrônicas era infinitamente menores que atualmente. Sem contar que as cidades eram menores, consumiam menos energia e tinham menos barreiras formadas pelos edifícios construídos com muito ferro e cimento armado.Fica, portanto, aí o desafio para outros leitores com maior conhecimento. Grato pelo contato.

Deixe um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *